Arquivo da tag: música

Video Mapping


O Vídeo mapping é uma pintura de luz na arquitetura, é considerada o futuro da projeção. Uma ilusão ótica através do mapeamento do espaço físico, imagens são projetadas  direto na arquitetura sem tela de projeção

O Processo é complexo e exige uma superprodução, mas dá pra ter uma idéia nesse vídeo da Casa Botines, um prédio criado por Gaudi na Espanha. Fachadas, colunas, janelas, portas, qualquer superfície pode ser mapeada. A primeira fase é a planta, a analise da potencia do projetor e as suas distâncias, depois é criado o conteúdo em vídeo que é sincronizado, com a ajuda de um software, as imagens o som os projetores gerando uma ilusão de ótica ou cenários.

Ou pode ser feita uma mega interferência como esse outro video, em Houston no Texas, George R. Brown Convetion Center

Essa semana fiz um curso de mapping na Escola São Paulo com o videoartista e diretor de arteJosé Luiz Sampaio, que desenvolveu uma linguagem própria de video arte

Depois de 4 dias de curso ele mostrou seu trabalho no show da Blubell, uma cantora empoderadíssima, com personalidade própria, que ainda vai dar o que falar,  ela lançou dia 21/01/2010 o seu segundo CD no Sesc Pompeia, com participação de Baby Brasil (outra mulher revolucionária que fez história). O evento foi ótimo os videografismos integradissimos na música com a direção de arte  foi um fechamento de curso com chave de ouro.

Aqui vai uma palhinha da música da banda da Bluebell, que canta na abertura do Seriado Aline da rede Globo, agora a referência do trabalho do Zé vc terá que esperar o proximo show ou a próxima aula dele.

Agora, mais uma referência de mapping aqui no Brasil que circulou pela rede no ano passado se vc não viu, veja pelo menos o final surpeendente desse trabalho

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em ACONTECE, AMBiANCE, ARTE, FASHION

Dublin: bêbados, exóticos ou geniais?


Portas, janelas e garagem

Quando a estética conta uma história.

Baile Átha Cliath em Irlandês, Duibhlinn em gaélico, formada originalmente por Celtas depois invadida por Nórdicos, Vikings e Ingleses. Essa origem étnica deu a Dublin um caráter pluri-cultural. Até hoje nem os estrangeiros resistem aos costumes locais, essa fantástica mistura de culturas resulta na personalidade exótica da capital da Irlanda.

As portas coloridas são uma marca registrada da cidade.

Reza a lenda  popular: “as mulheres cansadas de ver os seus maridos bêbados enganarem de porta, subirem as escadas e terminarem na cama com a esposa do vizinho,  fez com que essas senhoras inconformadas, pintassem as portas de cores reluzentes para que seus maridos pudessem encontrar o caminho de volta”.

Barra an Teampaill (em irlandês) é uma área na margem sul do rio Liffety, no centro de Dublin, mais conhecida como Temple Bar tem ruas estreitas e empedradas com o ar medieval, é o bairro cultural de Dublin, tem uma vida noturna intensa e animada, os turistas vibram em pular de bar em bar para ouvir música irlandesa da melhor qualidade e beber cerveja, bares, música ao vivo, teatro e bons restaurantes estão aqui. (a Temple Bar é como o Pelourinho para Salvador)

Seven Drunken Nights, é uma dos clássicos do folclore irlandês, um bêbado é corneado pela mulher porque sai pra beber as 7 noites da semana (na primeira noite ele volta pra casa e vê um cavalo na porta, na segunda vê um par de botas….). Dá pra vc imaginar dezenas de pessoas eufóricas cantando essa música e batendo palmas nos bares (esse filmino tem uma animação bizarra mas conta a historinha da música)

A ironia está por toda Dublin.

Andando pelas ruas da periferia da cidade achei algumas pérolas que não estão nos álbuns dos turistas.

 

A janela de um prédio abandonado, há um copo da cerveja Guinness ao lado da máscara, dois elementos simples que faz a nossa imaginação viajar.

 

O que me intrigou mesmo não foram as portas e janelas da cidade e sim essa garagem.

As pessoas sempre encontram uma forma pessoal de se expressar!

 

uma rua qualquer na periferia

 

Reciclagem? Desleixo? Um jardim suspenso? Porque esse morador se deu a tanto trabalho?

Tinha jardim até no banco do carro

A única coisa que concluí é: quando começar o frio e antes da neve chegar todo esse jardim não existirá mais e será uma ótima oportunidade desse morador repensar o apego a relíquia da sua garagem. O que você acha? Dê a sua opinião.

O que importa mesmo é que em Dublin tem alegria, simpatia, expressão, personalidade, é dos lugares mais interessantes que já estive e que assim que eu puder volto pra lá. Vale a Dica!

Deixe um comentário

Arquivado em ACONTECE, IMPERDÍVEL, RODAR O MUNDO, VIAJEI

São João em Caruaru, muito mais que forró


Caruaru é considerada a capital do forró e nessa época de São João, o pátio do Forró é uma loucura com milhares de pessoas e bandas que trocam o dia pela noite, além disso tem passarela com desfile de quadrilhas com coreografia e tudo mais, o povo de lá se prepara o ano todo.

Mas existe muito mais São João em Caruaru além de forró, nesse dia 24 de julho comemora-se o dia do Bacamarteiro, (pode até parecer nome de desenho animado) mas são homens enfardados com armas de festim (sem projétil) na mão, como se fossem produtores de rojão.

Essa relíquia vem da época da guerra do Paraguai quando os soldados atiravam pro alto pra comemorar a vitória, a tradição ainda é mantida mas não por soldados de batalhão mas por valentes homens do campo.

Reverenciar o Santo João implica em homenagea-lo com fogo, os bacamarteiros fazem a sua parte, eles chegam de várias regiões do interior de Pernambuco pra saudar o santo e fazem mais barulho que fogos de artifício. O encontro desse ano foi no Sesc de lá.

Apesar deles serem da turma do bolinha as luluzinhas também são bem vindas pra demonstrar a coragem em segurar o tranco do disparo, mas é preciso muita habilidade pra carrega-la manualmente. Eles tem um saquinho com pólvora (amarrado no cinto) e um soquete de metal pra socar o pó lá no fundo do bacamarte.

wwwwww

Outra tradição de Caruaru é Pífano ou pífaro ou ainda pife, uma pequena flauta transversal, aguda, similar a um flautim, mas com um timbre estridente.

Historicamente, essa flauta era uma forma dos primeiros cristãos saudarem a Virgem Maria nas festas natalinas. Na versão nordestina as flautas formam uma banda bem criativa com um toque nordestino.

Hoje a banda popular ganhou estatus  e se tornou a Orquestra de Pífanos de Caruaru.

wwwwwww

Alem do forró toda Pernambuco se manifesta, em Caruaru, com todas as suas tradições do folclore: encontrei Dança do Boi.

danças dos Pernas de Pau e por toda cidade muitas festas com expressões de alegria e espontaniedade.

Estive em Caruaru a convite da Fernanda, presidente da Associação de Parteiras de Caruaru, que me levou pra conhecer a sua terra além das parteiras do serrado.

Bem, quanto a arena do forró, só mesmo estando lá pra poder explicar. O que vc pretende fazer em junho do ano que vem?

3 Comentários

Arquivado em ACONTECE, EXPERÊNCIA DE VIDA, FESTAS POPULARES, IMPERDÍVEL, masculino e feminino, RODAR O MUNDO, Tradição

Nação Zulu- dica na África do Sul


KAWAZULU = lugar do Paraíso, a região onde o guerreiro kraal Shaka viveu suas vitórias sangrentas, foi reconstruído pra uma superprodução cinematográfica. Vários nativos que dominavam os costumes Zulus foram contratados pra reconstruir uma autentica aldeia Zulu do sec. XIX.

foto de 1885

A história do estrategista repete as muitas outras de outras partes mundo, filho bastardo do rei com a mulher mais linda do povo, Shaka, nasceu e cresceu repudiado pela comunidade, até que se tornar um heroi ao mudar a forma de guerrear, criou novas lanças, mais curtas e com a ponta longa e os novos escudos. Ele inventou manobras de guerra e treinou seu exercito, que o tornou “quase” invencível. Como ele tinha muita mágoa interior, destruia quem aparecia na sua frente. Criou-se o Mito Shaka Zulu.

Depois do filme pronto a aldeia foi devolvida pra comunidade que transformou o local num projeto sustentável, apesar da miséria da região é seguro  visitar a aldeia e pode tirar foto a vontade.

o lugar é bem inspirador

Cheguei ontem em Durban e hoje deram um jeito de eu visitar a aldeia que fica no caminho pra Moçambique. Na vila vive várias famílias, 80 pessoas, responsáveis por manter as tradições Zulus, fazem artesanato, ensinam as danças, as músicas, fazem a cerveja e usam indumentárias típicas, tem até um centro cultural. As crianças, filhos dessa comunidade tem ônibus especial pra ir a escola. O governo dá subsídios pra manter viva a herança cultural do temido guerreiro, amado e odiado por muitos (depende do lado que vc tá, se vê é Zulu ou se vc é de outra etienia ,Shaka matava qquer um que não fosse Zulu, mesmo de outra etienias afros). A geografia é linda tudo a céu aberto; nada, nada fake. Tudo é real vivo e funciona.

imagino esse pessoal dançando na abertura da Copa do Mundo aqui na África.

O povo Zulu é cinco vezes maior que a população branca, até o presidente da África do Sul é Zulu.

A vista vale a pena, tem almoço típico, vendem todo tipo de artezanato, mas dá prazer em comprar da mão de quem acabou de fazer, (não tem nada de made in China). O ritmo, a dança é um misto de nativos com samba, tem até cuíca. Dá pra sentir como temos referências em comum. Eu que fico a procura de símbolos do universo feminino encontrei muita coisa, muitas mulheres com bebes, muitos icones, pra rechear o meu trabalho das parteiras, até casamento zulu eu consegui. Finalmente Bia Fioretti pesquisa as mulheres da África do Sul, um sonho que se realiza.

A viagem pra chegar  em Shakaland é longa, boa parte pela costa do Oceano Indico, mas vale a pena, se preferir dá pra se hospedar na comunidade, tem quartos com conforto e serviço de hotel. Pra quem for ver os jogos em Durban, vale a dica de um programa pra fazer entre os jogos de futebol. E lindo e a cuíca faz ferver o nosso sangue com o rítmo.

vista do restaurante dentro da tribo

4 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, AVENTURA, África do Sul, Cerimonia de Casamento, EXPERÊNCIA DE VIDA, IMPERDÍVEL, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição, VIAJEI