Arquivo da tag: ícone

Maria, parteira do próprio filho


A celebração do Natal (independente do aspecto religioso) é um período que se comemora um nascimento natural. Uma mulher que deu a luz  estando só, onde foi respeitado as forças da natureza, depois esse nascimento foi abençoado e brindado por reis e por astros.

Baltazar, árabe, levou incenso simbolizando a divindade do Menino Jesus
Belchior, indiano, levou ouro – um reconhecimento a Realeza
Gaspar era etíope, levou  mirra que simbolizou a Humanidade de Jesus

Que esse momento sirva, para os dias de hoje, como uma reflexão e exemplo para nascimentos abençoados e saudáveis. Esse vídeo é um poema brasileiro, não deixe de ver.

The celebration of Christmas (regardless of the religious aspect) is a time that marks a natural birth. A woman who gave birth standing alone, where she met the forces of nature, then this birth was blessed by kings and stars.

This celebration serves for us at this time as a reflection and an example for healthy births.


La celebración de la Navidad (con independencia del aspecto religioso) es un momento que marca un parto natural. Una mujer que dio a luz por sí solo, donde se reunió con las fuerzas de la naturaleza, este nacimiento fue bendecido por los reyes y las estrellas.

Ese momento sirve para el día de hoy, como un reflejo y un ejemplo para los nacimientos saludables.


Anúncios

2 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, BEATA LEi, Bebes e Mamães, DEUSA DO FEMININO, Mãe Natureza, parto natural, TODOS OS SANTOS

Vida de Garupa


Depois de ter fotografado 1.000 mães amamentando em Santos,  que tal fotografar 10.000 motocicletas juntas em Minas Gerais?

Um grupo motociclistas que adoravam Harley Davidson foram incentivados por um homem conhecido por Berg e escolheram Tiradentes como ponto de encontro para os amigos que vinham do Rio, Belo Horizonte e São Paulo. Esse encontro se tornou o clássico do clássico já que ter uma Harley é um ícone

O que começou com um grupo de 35 amigos em 1991, no ano seguinte já eram mais de 200 motos e hoje, 17 anos depois, já chega há 10.000 motos e 25 mil pessoas, sempre no último final de semana de junho.

nada melhor que passar a viagem com uma câmera na mão

Quinta- feira, nos encontramos no posto da Trabalhadores às 8:30 da manhã, o maior frio e eu com uma gripe danada. Eu poderia ter ido de carro com as mulheres de alguns amigos, mas do que vale uma viagem de moto se não enfrentar a garupa, faça chuva ou faça sol?

muitos pedágios na Trabalhadores e Dutra

No início da viagem estava muito frio pra mim. A Dutra é sempre muito tensa: caminhões, transito, mas ao entrar em Canas ( perto de Cachoeira Paulista) a viagem fica linda

Cruzar a Serra da Mantiqueira é maravilhoso, a estrada estava ótima, vazia, o asfalto sem buracos, o dia lindo e a temperatura começou a esquentar.

essa é minha parte favorita da viagem

Ser garupa normalmente é um papel bem feminino, (ainda não vi o inverso), tenho duas amigas que pilotam suas Harleys, acho o máximo mas não tenho esse pique. Adoro estar atrás, sentir o vento no rosto, vários cheiros diferentes, perceber o movimento do sol, adoro observar as sombras da moto projetada na paisagem.

Nós atravessamos várias cidadezinhas, todo mundo sai na janela pra ver o comboio, as crianças dão tchauzinho, os homens brindam com um copo de cerveja na mão, alguma mulheres olham de lado desejando estar também numa garupa.


Andar de motocicleta tem um “Q” de potência, de virilidade e de desafio, estar sendo guiada é uma experiência de papéis bem definidos do masculinos e feminino. Mesmo eu que  trabalho, me sustento e sou independente, gosto muito de estar sendo guiada e não ter que me preocupar. (É apenas uma manifestação do ser feminino).

A chegada a Tiradentes é junto com o cair da tarde, ficamos na pousada de charme Alforria, o Valério sempre nos recebe com chá de Erva cidreira natural e biscoitinhos caseiros. Nós ainda estávamos cheirando a gasolina, tomamos o chá quentinho tiramos as roupas de couro e a recompensa com um banho . Depois o encontro é no escrtório, apelido do bar Conto de Reis” pra tomar cachaça de Salinas.

A cidade fica lotada, as pousada são reservadas com 1 ano de antecedência, muitos estandes, badalação e o melhor são os ótimos restaurantes, bem requintados. Tiradentes é um dos pontos gastronômicos do país, vale a pena ir  pra lá, tem opções para todos os gostos. A arte e o artesanato são preciosos também, imperdível é a ida a Bichinho comer a comidinha mineira do restaurante da Angela também, lá foi o lugar que começou a Oficina de Agosto.


2 Comentários

Arquivado em AVENTURA, EXPERÊNCIA DE VIDA, GLAMOUR, INESQUECÍEL, masculino e feminino, NEM TE CONTO!, RODAR O MUNDO, VIAJEI

Contato com Mandela


museu do Apartheid

Os 192 Estados-membros da Assembleia Geral da ONU escolheram o dia 18 de julho como Dia Internacional Nelson Mandela, assim o dia do 92º aniversário do ex-presidente sul-africano é transformado em um “dia internacional do ativismo”.

Essa é uma forma de recompensar Madiba que dedicou sua vida às causas que a ONU defende na conduta sobre os conflitos inter-raciais, pelos direitos humanos e a defesa entre a igualdade dos sexos.

Ao passar por Cape Town, vc pode se apaixonar pelas belezas geográficas da cidade ou se impressionar com a história de escravidão e discriminação racial que eles viveram até pouco tempo atrás.

Só é possível sentir o peso da história que foi esse período se vc tiver estomago  pra visitar Robben Island , agora tombada, e sentir a presença de Nelson Rolihlahla Mandela, que ficou preso durante 26 anos, por ser ativista político e o principal responsável pelo fim da segregação social, que dividiu a população em brancos, negros e indianos


A ilha, teve uma vila habitada com casas, igreja, mesquita, escolas, depois foi usada como descarte de leprosos, que eram abandonados aqui ao vento e frio. A partir da 2º Guerra, passou a ser penitenciária, masculina para negros, criminosos comuns da África do Sul e alguns países vizinhos e prisioneiros políticos.

 

o mar entre Robben Island e Cape Town, Table Mountain

A vista é privilegiada para Table Moutain, a cidade aparece até relativamente perto, mas a água é tão gelada que é suicídio, para um ser humano, mergulhar nesse mar, ele morreria de hipotermia em alguns minutos, só os pingüins andam livremente entre a praia e o mar.

Durante o dia os prisioneiros quebravam pedras  ao ar livre, 365 dias por ano, chuva ou sol, inverno ou verão, usavam uma gruta como banheiro. Vc pode imaginar todos os presos usando uma gruta sem nunca limpa-la? Os brancos tinham verdadeiro horror e nojo naquele lugar, então quando os presos perceberam isso, passaram a usar a gruta como sala de conferência, era o único lugar que podiam ficar sozinhos, deixavam mensagens nas paredes, muitas das decisões que estão na atual constituição foram tomas lá dentro. As pedras no centro simbolizam as várias cores das pessoas que passaram por aqui. Esse lugar reflete tanta luz que as pessoas ficam cegas.

Os setores da prisão são separadas por categorias de presos, religião e raça.

cela que Nelson Mandela passou 8 anos

É incrível sentir a dor e o frio do silêncio dessa ilha. Como suportar tanto tempo dormindo no chão de cimento?

O alarme na porta, as lágrimas da parede, as cicatrizes dos travesseiros, as manchas nos tecidos,  estampam sutilmente a dor e o isolamento dos presos políticos que almejavam apenas a igualdade de direitos humanos.

Entre uma catarse e outra, imaginei que apenas os fios de cabelo, as sujeiras e os excrementos podiam se libertar de seus corpos e fugir pelos esgotos.

Sem família, sem cartas, sem jornais, só o profundo isolamento.   A meta de cada um era superar o frio, os reumatismos, as pneumonias e as diarréias as dores de cabeça, os choques elétricos de cada dia e sobreviver.

o caminho da liberdade

Foi também superando todos outros homens que Nelson Mandela sobreviveu e perdoou seus 26 anos passados em Robben Island. A superação humana e o perdão se tornou uma bandeira de paz e liberdade, que pode ser vista  no filme Invictus de Kenneth Turan. Aqui, hoje, véspera da Copa do Mundo, depois de várias campanhas na TV sobre como ser gentil e respeitar a união entre os povos, todos procuram, ser simpáticos, pelo menos formalmente, quando te cumprimentar socialmente na rua.

a saída da ilha

Passar a tarde em Robben Island, a princípio me apavorou, depois saí daqui com esse sentimento de perdão e de superação dos limites, da paciência de poder esperar o momento certo pra conseguir melhorar o mundo.

“O perdão liberta o coração. A reconciliação limpa o medo por isso é uma arma tão poderosa, …temos que surpreender com compaixão e generosidade”.

Nelson Mandela

Mandela, “passou 67 anos de sua vida se dedicando ativamente a promover e conseguir a mudança social” e por causa disso, a Fundação Nelson Mandela, de Johannesburgo, sugere que, no 18 de julho, “as pessoas dediquem simbolicamente pelo menos 67 minutos de seu tempo para servir suas comunidades em qualquer coisa que quiserem”.

sombras, reflexos e desejos de me inspirar na sua perseverança e paciência

Bia Fioretti, repete o discurso de liberdade e igualdade, das últimas semanas, essa foi a mensagem que eu trouxe para a Africa do Sul (vim aqui pra  falar da universalidade dos sentimentos entre as parteiras de todo mundo) levo de volta para o Brasil, um discurso ainda maior, de iguladade entre todos no mundo.

 
 
 
 
 
 
 
Perdi meu xale de lã pura nesse lugar, era de estimação feito  por uma parteira, que me acompanhava em todas as viagens, a princípio fiquei  muito triste, depois doei espiritualmente para aquelas ALMAS GELADAS que ficam assombrando esse lugar. Pratiquei o desapego ao dedicar cada um dos fios a cada um dos espíritos, como uma oração, para que também superem o sofrimento.
 
 
 

 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Obrigada Madiba por esse encontro e por essa  lição de desapego e liberdade de alma.


WHILE WE WILL NOT FORGET
THE BRUTALITY OF APARTHEID
WE WILL NOT WANT
ROBBEN ISLAND
TO BE A MONUMENT
OF OUR HARDSHIP
AND SUFFERING
WE WOULD WANT IT
TO BE A TRIUNPH
OF THE HUMAN SPIRIT
AGAINST THE FORCES OSF EVIL
A TRIUNPH OF WISDOM
AND LARGENESS OF SPIRIT
AGAINST SMALL MINDS
AS PETTINESS
A TRINPH OF COURAGE
AND DETERMINATION
OVER HUMAN FRAILTY
AND WEAKNESS

Ahmed Kathrada 1993



Deixe um comentário

Arquivado em AVENTURA, África do Sul, EXPERÊNCIA DE VIDA, IMPERDÍVEL, INESQUECÍEL, mito, RODAR O MUNDO, SURTEI, GRITEI, CHOREI, VIAJEI

Nação Zulu- dica na África do Sul


KAWAZULU = lugar do Paraíso, a região onde o guerreiro kraal Shaka viveu suas vitórias sangrentas, foi reconstruído pra uma superprodução cinematográfica. Vários nativos que dominavam os costumes Zulus foram contratados pra reconstruir uma autentica aldeia Zulu do sec. XIX.

foto de 1885

A história do estrategista repete as muitas outras de outras partes mundo, filho bastardo do rei com a mulher mais linda do povo, Shaka, nasceu e cresceu repudiado pela comunidade, até que se tornar um heroi ao mudar a forma de guerrear, criou novas lanças, mais curtas e com a ponta longa e os novos escudos. Ele inventou manobras de guerra e treinou seu exercito, que o tornou “quase” invencível. Como ele tinha muita mágoa interior, destruia quem aparecia na sua frente. Criou-se o Mito Shaka Zulu.

Depois do filme pronto a aldeia foi devolvida pra comunidade que transformou o local num projeto sustentável, apesar da miséria da região é seguro  visitar a aldeia e pode tirar foto a vontade.

o lugar é bem inspirador

Cheguei ontem em Durban e hoje deram um jeito de eu visitar a aldeia que fica no caminho pra Moçambique. Na vila vive várias famílias, 80 pessoas, responsáveis por manter as tradições Zulus, fazem artesanato, ensinam as danças, as músicas, fazem a cerveja e usam indumentárias típicas, tem até um centro cultural. As crianças, filhos dessa comunidade tem ônibus especial pra ir a escola. O governo dá subsídios pra manter viva a herança cultural do temido guerreiro, amado e odiado por muitos (depende do lado que vc tá, se vê é Zulu ou se vc é de outra etienia ,Shaka matava qquer um que não fosse Zulu, mesmo de outra etienias afros). A geografia é linda tudo a céu aberto; nada, nada fake. Tudo é real vivo e funciona.

imagino esse pessoal dançando na abertura da Copa do Mundo aqui na África.

O povo Zulu é cinco vezes maior que a população branca, até o presidente da África do Sul é Zulu.

A vista vale a pena, tem almoço típico, vendem todo tipo de artezanato, mas dá prazer em comprar da mão de quem acabou de fazer, (não tem nada de made in China). O ritmo, a dança é um misto de nativos com samba, tem até cuíca. Dá pra sentir como temos referências em comum. Eu que fico a procura de símbolos do universo feminino encontrei muita coisa, muitas mulheres com bebes, muitos icones, pra rechear o meu trabalho das parteiras, até casamento zulu eu consegui. Finalmente Bia Fioretti pesquisa as mulheres da África do Sul, um sonho que se realiza.

A viagem pra chegar  em Shakaland é longa, boa parte pela costa do Oceano Indico, mas vale a pena, se preferir dá pra se hospedar na comunidade, tem quartos com conforto e serviço de hotel. Pra quem for ver os jogos em Durban, vale a dica de um programa pra fazer entre os jogos de futebol. E lindo e a cuíca faz ferver o nosso sangue com o rítmo.

vista do restaurante dentro da tribo

4 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, AVENTURA, África do Sul, Cerimonia de Casamento, EXPERÊNCIA DE VIDA, IMPERDÍVEL, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição, VIAJEI

13 de maio -libertação


Com apenas dois artigos foi assinada a lei Áurea:

Artigo1 : A partir dessa data, a escravidão é declarada abolida no Brasil

Artigo 2: Todos os dispositivos contrarios a este estão revogados.

Uma mulher, em 1888 tomou essa atitude, não importa os motivos, ou quais foram as influências sobre ela mas, foi a princesa (nem rainha era) que decidiu por fim naquela situação. Depois, coitada, jogaram toda a culpa da queda da monarquia sobre ela. Imagina que peso e que papel ela tem dentro da história.

O fato que a luta de liberdade não foi tão sangrenta como em outros lugares e que os africanos nos trouxeram algo maior que o desejo de liberdade, eles nos deram cor, sabor, parte dos saberes e da fé do nosso povo.

Hoje 13 de maio de 2010 eu, Bia Fioretti estou na Africa do Sul, pela primeira vez e justo hoje é minha palestra sobre as parteiras no mundo. É uma sensação incrível estar aqui prestando contas dessa herança étnica e cultural.

fotos de parteira, que fiz hoje 13 de maio, na Africa do Sul

Hoje estou aqui para nos apresentar e prestar contas de quem somos de fato e o que herdamos deles contando alguma das nossas histórias de parteiras

Apesar de ter chegado a menos de 48h e não ter saído de dentro do congresso dá pra perceber o esforço que todos fazem para ser amigáveis.

Soube que a profissão de enfermágem foi a primeira a ter igualdade de salário entre negros e brancos por isso houve uma grande procura pela profissão.

As enfermeiras parteiras africanas ainda lutam pela busca da humanização do parto, como em qualquer outro lugar que ja estive, mas é incrível a igualdade de condição salarial entre brancos e negros ter começado justamente entre as parteiras enferemeiras.

Aqui nessa auditório olhando as minhas fotos espalhadas pela sala e comparando a fisionomia e o olhar entre as minhas fotos e os rostos dessas mulheres aqui presentes, sinto que fiz a escolha certa ter vindo pra cá. (Não consegui incluir mais fotos e corrigir o texto, afinal eu uso MAC e tô num PC, socorro, depois eu concluo, mas quero postar assim mesmo, sorry)

Hoje 13 de maio eu faço a minha parte na luta pela liberdade de escolha e pela igualdade entre os povos.

3 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, AVENTURA, DEUSA DO FEMININO, EXPERÊNCIA DE VIDA, IMPERDÍVEL, NEM TE CONTO!, RODAR O MUNDO, TODOS OS SANTOS, Tradição, VIAJEI

Vanguarda ou tradição, porque não os dois?


tia Iracema, entre 1930/40

Tia Iracema (irmã da minha bisavó) foi das mulheres mais incríveis que já conheci. Foi um grande personagem da minha adolescência.

Imagine uma senhora de mais de 80 anos vivendo nos anos 70, vestido de velhinha, sapato de velhinha, salto baixo plataforma com seu enorme dedão a mostra. O cabelo, igual da foto, branco mais macio que algodão com corte Chanel.

lata de 1971

Na época lançaram as primeiras cervejas de lata. Uma lata tão forte que não amassava. UAU! Abrir uma lata e ouvir o barulho. ZZZZZZZZ!

Tia Iracema vivia no Rio, nós morávamos em São Paulo, estávamos passando as férias na cidade maravilhosa e como de costume fomos vitar a bisavó (ela morava na rua Joana Angélica), encontrei tia Iracema a caminho da igreja Nossa Sra da Paz, quando ela me viu, me chamou de lado e mostrou, em pimeira mão e com o maior  orgulho, o relógio que tinha acabado de fazer.

Ela havia desmontado seu antigo relógio de ouro, customizou uma pulseira feita de argolas de cerveja e pequenos alfinetes dourados. Incrível!

infelizmente não herdei o arroubo criativo da titia, então criei esse modelito no photoshop

era deboche ou genialidade? Olhava o pulso dela absoutamente  fascinada,  era a coisa mais incrível  que já tinha visto,  imaginava ela rezando e a cara do padre vendo relógio da beata? KKKK (veja bem, estávamos nos anos 70 e ela já havia reciclado uma latinha de cerveja).

Só de ouvir as risadas de tia Iracema com as outras tias era motivo suficiente pra eu largar qualquer brincadeira com as outras crianças. Apelidei-a de Tiazona,  era tia + ZONA (alegria + bagunça).

meu pai, arquiteto, também era bem moderninho

Então Tiazona veio nos visitar em São Paulo, (lembre-se anos 70s). No final da tarde ela e meu pai sentaram no sofá da sala, ela pediu um cerveja preta e também queria escutar uma música, aquela, disse ela,  que começa com o barulho das moedas. Pink Floyd? Aquela música que meu pai escutava sempre e que na época eu não dava a menor bola? Foi aí, que dei valor aquele disco com capa preta com as cores do arco-íris. Se Tiazona gostava devia ser bom mesmo.

Eu, uma menina quase uma adolescente que acreditava que a pessoa mais moderna do mundo era uma tia velha irreverente. Incrível!

Ela trouxe de presente pra minha mãe o jornal do descida do homem na lua (que havia sido alguns anos antes), ela disse que era um presente para meu irmão que nasceu em 69, com o argumento nunca guardávamos a nossa memória junto com os acontecimentos marcantes que permeavam as nossas vidas.

lembro-me bem desse dia,  estava deitada no colo da minha mãe, com a cabeça na barrigão dela, na hora que o homem pisou na lua, o meu irmão deu um chute bem forte, eu levei um susto. A barriga da minha mãe era mais estranha que a lua. Ou teria um astronauta lá dentro?

Quando Tiazona morreu devia ter uns 16 anos . Fomos ao Rio para o enterro e para esvaziar o quartinho que ela vivia. Minha mãe, minha tia, e eu abrindo caixas. (sabe porque adoro fazer albuns e arrumar meus guardados? para o dia que eu morrer as pessoas entenderem a minha história e terem pena de joga-la no lixo, faço direção de arte em albuns, caixas, bloquinhos de anotações) Muitos papéis, revistas e alguns livros, fiquei com dois livros encadernados escritos a mão que iam para o lixo e uma caixa de prata com as iniciais LG ( depois conto o significado dessa inicial).

Os livros eram os diários contábeis de soldos de almirante, do falecido marido, datam desde 1907 , além disso haviam muitos documentos de patentes militares e condecorações, assinado inclusive por D. Pedro, isso será assunto pra muitos posts…aguardem

Esse é um dos books – o passado, o presente e o futuro – todos alinhados em uma tenue linha. Pra  tia Iracema o tempo era apenas uma questão de cronologia onde os 3 tinham a mesma importância.

Fazendo esse post, me dou conta que mesmo eu sendo criança já buscava uma referência do que é a magia de envelhecer. Tia Iracema é um dos vértices do feminino dessa Bia Fioretti, que tanto busca a essência nas mulheres pelo mundo.

Com essa tia, aprendi a traçar um paralelo das nossas vidas com a história – associar os contecimentos juntos na nossa memória. Hoje eu digo que ao traçar uma linha do tempo, o futuro pode estar tão eqüidistante quanto o passado. Como fazer isso? Pra mim é manter o passado consciente, os sentidos aguçados em alerta e encontrar e transformá-los em tendências. Vc não poderá prever a história mas quem sabe poderá fazer parte dela.

Ter tias fortes com um feminino marcante me faz lembrar um livro lindo, “ A Ciranda das Mulheres Sábias”,  Clarissa Pinkola Estés – que fala muito da influência de tias fortes na nossa vida. É lindo recomendo!

MEUS LOOKS:  o tal relógio sempre esteve presente na minha memória, talvez por isso sempre busque na sutilezas a tal irreverência.

Casaco alfaiataria, os botões dourados, são chaves antigas de verdade: Alessandra Hyppolito. Amor a primeira vista, quem me vendeu me afirmou que ela havia trabalhado no atelier de Vivian WestWood em Londres, não tenho certeza. Mas o casaco é um luxo faz o maior sucesso.

as chaves são de verdade, bem antigas

Relógio M&Co comprei na lojinha do MOMA NY , percebeu a sutileza????? rssss, a titia ia achar o máximo

repare na órdem dos números

4 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, DEUSA DO FEMININO, EXPERÊNCIA DE VIDA, GLAMOUR, MEUS LOOKS, NEM TE CONTO!, Tradição

O paraíso realmente existe, no fim do mundo


“Nos confins e lugares extremos da terra, mas além das colunas de Hércules, atravessando o tenebroso Oceano existe ilhas paradisíacas que gozam de um clima primaveril, cujos campos fornecem todas as classes de alimentos e frutos sem precisar plantá-los, acreditamos ser os Campos Elíseos que tanto falam os poetas e filósofos. Nessas ilhas residem as Hespérides, filhas de Atlanta, o grande soberano de Atlântida, que custodiam junto com um dragão um jardim maravilhoso. Nesse lugar está a árvore que contém a essência da imortalidade e produz maçãs de ouro, aquelas que Hércules buscava. As almas dos Bem Aventurados que vivem nessas ilhas estão livres de preocupações e os casais estão no paraíso. Entre as ilhas vive um cetáceo que navega a deriva que aparece e desaparece levando 7 cidades nas costas.” La Mitologia, todo sobre Canárias – Marcos Martinez

Imagine viver numa Europa gelada ou um deserto inóspito e escaldante, então imagine um tal aventureiro que supera todas adversidades marinhas, ondas e monstros e chega em um paraíso quase tropical.

Mar violento em Puerto Mogan - viagei no enorme cetácio protegendo a ilha e os perigos de um mar aberto

ILHAS CANÁRIAS

Até a partida de Colombo (sim, ele saiu de lá) essas ilhas foram consideradas a última fronteira conhecida do mundo ocidental – lá literalmente era o fim do mundo.

a igreja é o ponto mais alto da capital Las Palmas, dá pra subir de elevedaor

No final de fevereiro, fui para Las Palmas (uma das ilhas Canárias) convidada para expor as minhas fotos das parteiras tradicionais, no “Congreso Interatlántico sobre Parto e Investigacion en Salud Primal”, que teve o apoio da OMS (Organização Mundial de Saúde). (Enlouquecida de trabalho, como sempre, planejei e me inscrevi no congresso sem ter idéia para onde iria). Na véspera da viagem que descobri que as tais ilhas ficavam no Oceano Atlântico, abaixo da Espanha e do Marrocos na direção frontal a 115 deserto do Saara. Abduzida, cheguei na ilha sem fazer a menor idéia do peso histórico que havia lá. Amei!

levei uma delegação de 73 parteiras tradicionais do Brasil, que brilharam com seus sorrisos e emocionaram muitos gringos que não faziam idéia que ainda tinhamos, aqui no Brail, tesouro feminino tão grandioso

Esse é o visual do auditório do encontro, no fundo um espelho d'agua e depois o mar, indiscritivel

1200 visitantes no do Auditório Congreso Interatlántico sobre Parto e Investigacion en Salud Prima

25/02/2010 -Sao/Madrid/ Las PALMAS – Logo de cara a gente pode ver, a uma curta distância: paisagem árida X vegetação abundante, sol, montanhas, vulcões, vulcões com picos nevados, dunas, praias mansa, praias brava com ondas pra surfistas, penhascos, dunas e plantações com frutas no ano inteiro. A diversidade do relevo de todo um continente está em apenas 3 ilhas

Puerto Mogan - a Veneza das Canarias

Vários estudiosos atestam que o criativo Homero fez a “ambiance” da sua Odisséia lá, nas ilhas Canárias: selva, montanha, neve, penhascos, dunas e mares violentos favorecem o místico e o extraordinário. Além disso tem o bucólico, o mar calmo, as frutas e as flores, as sombras das palmeiras, uma temperatura primaveril o ano todo, literalmente o paraíso – tudo isso foi geograficamente demarcados e povoado por heróis e titãs.

Enfrentar os titãs e conquistar o paraíso. O importante é que pela primeira vez, um mundo de UTOPIA, aquele mundo ideal, poderia existir de fato.

Dunas de MASPALOMAS - não é dificil de imaginar a luta entre heóis e titãs - vale a pena pra conquistar esse paraiso

Historiadores atribuem monstros como Gérion (gigante de 3 cabeças e um único corpo que rugia quando Hércules roubou seu rebanho – assim ruge um dos vulcões canário. Também Segundo Hesíodo, viviam 3 grande monstros femininos, (Esteno, Euriale e Medusa).

cactus Gigante das Canárias - achei a cara da medusa com seus tentaculos e espinhos

Ao grande mito canário é atribuído sinônimos que já ouvimos, Ilha dos bem aventurados, Ilha de Campos Elíseos, o que teria sobrado de Atlântida, Jardim das Delícias e o mais incrível é que estaria lá a árvore que Zeus presenteou Hera, com o fruto da sabedoria, a árvore que uns dizem que era maçãs, outros laranja e já escutei nêspera, estaria em Las Palmas protegida pela Hesperides.

eles viveram em cavernas II sec antes de Cristo

Na realidade, historicamente, os primeiros povos foram Guanches do deserto do Saara, e há ruínas e descobertas arqueológicas impressionantes na ilha, principalmente com referencias para o feminino, isso fica para ouro post.

Casa de Colombo no porto da Bahia de las Palmas - num lugar desse era motivador encontrar outros paraísos

Fantasias a parte, a praça central do porto é incrível, onde podemos viajar no tempo e ver a casa de Colombo, o museu com objetos, referências e entrar na sala que reproduz um navio. O lugar realmente é lindo.

vc tomaria água Teror, da fonte natural do paraiso? vale a pena, essa água é purissima e não tem nada de teror, é deliciosa

Subimos a montanha para irmos a Teror, e como estamos no paraíso a cidade é uma charmosinha, histórico no meio da mata e bem fresquinha – tipo Campos de Jordão

a barbearia de Teror não tem nada de sinistra, é um charme

– em meia hora pode ir voltar ao porto escaldante de Colombo- mais meia hora na auto estrada chega-se e Maspalomas, parece uma Miami/ Guarujá lotada de alemães e inglês fritos no sol, mas tem dunas lindas.

bucolica Puerto Mogan é um convite ao ócio - utópica realmente

Se tiver paciência e mais uns 40 minutos de estrada, chega-se em uma Veneza Marinha bem bucólica – Puerto Morgan, a estrada é linda, no meio das montanhas com penhascos e mar aberto. A cidade um charme, limpa, comida ótima e um toque turístico bem provinciano, nenhum luxo e puro charme.

rota de Colombo pra chegar as "índias"

Depois dessa experiência as Ilhas Canárias (que antes eram pra mim apenas um ponto de referencia no mapa do monitor, de dentro do avião, que indicava que em alguma horas chegaríamos na Europa), passou a ser um roteiro daqueles lugares que vc gostaria de voltar e conhecer todas as ilhas, fazer a literalmente uma Odisséia e incluir todas as paisagens, monstros, heróis, praias (veja bem nada se compara as nossas praias, lá a areia é vulcânica, pretinha), palmeiras frutas tudo que uma heroína urbana tem direito de gozar.

todos são gentilissimos, na ilha, é verdade rsss

Pra terminar a viagem enfrentamos a ira dos Titans e Houve uma tempestade de areia vinda do deserto do saara, senti essa tempestade em Maspalmas mas naquele momento não achei que era vinda do deserto, Qual Titão seria esse? Tenho que perguntar a Homero.

imagens da Nasa

e também convém levar óculos escuros

Se vc for pra lá  e tiver que enfrentar a furia de uma tempestade,  é melhor prender o cabelo porque  o vento é brabo e a areia voa forte

4 Comentários

Arquivado em AMBiANCE, ANCESTRAL, AVENTURA, DEUSA DO FEMININO, EXPERÊNCIA DE VIDA, mito, RODAR O MUNDO, VIAJEI