Arquivo da categoria: de Mãe para Filha

Hoje é o dia Internacional da Menstruação


02 de maio, segunda-feira!

1 milhão de mulheres celebrando sua menstruação!

Quando a Sabrina Alves, criadora do Clã dos Ciclos Sagrados, me convidou a integrar uma campanha internacional de celebração da menstruação eu vibrei! Eu, Bia Fioretti, estudo há anos os Ritmos do Feminino, os significado da menstruação e seus ciclos. Esse é um dos meus temas favoritos quando entrevisto as parteiras (já são mais de 900 mulheres ocidentais no projeto “Resgate da Essência do Feminino Mães da Pátria“). Eu pessoalmente sempre curti todos os 28 dias do meu ciclo.

Foi um grande desafio traduzir graficamente o que é menstruar e foi também uma grande experiência interior pra mim.

A primeira idéia foi representar graficamente um pingo de sangue.

A menstruação é um gotejar no sentido em direção a mãe terra. O que significa o pingo? A mulher selvagem, como as mamíferas, ciclavam sem absorvente e derramavam seu sangue na terra, a terra conseqüentemente absorvia esse pingo. Hoje em dia temos absorventes potentes e só vemos uma mancha, quando entramos em contato com esse pingo, dentro do chuveiro, por exemplo, é o pingo que caiu no azulejo gelado e impermeável. Não seria o mesmo impacto de ver um pingo de sangue de um acidente com faca ou um assassinato? Esse pingo tem dor associado a sua forma por isso desisti da forma de pingo.

A segunda idéia foi trazer a Celebração 

Menstruar deveria ser uma celebração da mulher, apesar de muitas não gostarem ou não saberem se conectar com esse período. A idéia foi o buscar a textura do vinho e o pingo da marca do vinho para representar a menstruação, mas a marca do vinho é característica e uma coisa não tem nada com a outra.

FLUIR – finalmente a intuição que eu buscava,  o movimento da tinta dentro da água

é o movimento de se entregar, é fluir na leveza de libertar a pressão que estava no seu interior.

É voar ou mergulhar? Pra quem percebe o alívio que temos ao menstruar sente  um prazer maior, que qualquer dor ou cólica, o desconforto vira descompressão e limpeza interior é o momento que jogamos muitos rancores no lixo. É a hora que o seu consciente se une ao inconsciente e flui em direção a terra.

Se vc gosta e quer se aprofundar no tema, hoje vamos comemorar essa data com um bate papo e uma programação especial, é só trazer 2 kilos de alimento

PROGRAMAÇÃO:

16hConference Call com a ativista menstrual americana autora do livro “Becoming Peers:Mentoring Girls into Womanhood”,  DeAnna L’am.Menstrual Monday – A Worldwide Sisterhood” (Segunda Menstrual: a irmandade mundial) com tradução.

+PALESTRAS:
17hs: “Magia e prazeres dos ritmos do feminino” – Bia Fioretti
18hs: “Cyber Ativismo Menstrual” – Danielle Sales
19hs
: “O potencial criativo da Menstruação” – Monika Von Koss
20hs as 21hs30
 – Mesa-redonda com Mediação de Sabrina Alves: Monika Von Koss, Danielle Sales, Bia Fioretti e participação de perguntas.

 Instituto Naradeva ShalaR. Coriolando, 169/171 (próximo ao Shopping Bourbon e ao Sesc Pompéia)

www.naradeva.com.br+Informações: http://www.campanhasegundavermelha.org/2vermelha     www.cladosciclossagrados.com +Siga-nos: TWITTER: @SegundaVermelha  +FACEBOOK   Fanpage: Campanha2aVermelha

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em ACONTECE, ANCESTRAL, de Mãe para Filha, Mãe Natureza, MENSTRUAÇÃO

Cinderela adolescente


Aos 3 anos de idade Lih cortou o cabelo pela primeira vez (na época no SoHo), nas mãozinhas carregava a cinderela, uma escovinha de cabelo e um mundo de fantasia.

Nesses quinze anos ela, muitas vezes, precisou de muita fantasia pra suportar a realidade, amadurecer não foi fácil, mas sempre com um sorriso, bom humor e os olhinhos de mangá

hoje, como um passe de mágica a realidade se tornou a sonhada fantasia ela trocou  cinderela por banda de Rock e Walt Disney  por  Tim Burton. Parabéns Lih, por viver  intensamente e se tornas essa linda Diva

2 Comentários

Arquivado em de Mãe para Filha, EXPERÊNCIA DE VIDA, FILHOTES DE GENTE

Estilo é genético


Quatro gerações de mulheres da familia Pascolato: Constanza Pascolato, Allegra Barontini, Gabriella Pascolato, Consuelo Pascolato Blocker - foto Fifi Tong

Desde os primórdios da humanidade  é a mulher quem passa a tradição, ela é quem ensina, educa e transmite o conhecimento (lembre-se que até a lingua é mater). Antigamente, a transmissão se dava através da oralidade, mas com o passar dos tempos podemos dizer que as mulheres continuam fazendo a mesma coisa com novas mídias, mas nem assim deixamos de lado uma bom conversa.

Essa semana, a Diretora Internacional de Estilo da Tecelagem Santaconstancia, Consuelo Blocker, fez um “petit comitê”  organizado pela BobstoreGiornate e pela da blogueiríssima Liliane Ferrari, pra lançar o seu bolg de tendências.

Quando o assunto é tendência, é preciso mais do que morar na Itália e viajar para Paris, Londres, São Paulo, Barcelona, Grécia e Turquia; é preciso ter estilo e tradição e isso não falta nas 3 gerações da família Pascolato.

Primeira geração – Dona Gabriella, aristocrata italiana chegou no Brasil em 1945, fugida da Guerra e começou a vender sapatos italianos do Salvatore Ferragamo na Rua Marconi, no centro de São Paulo, depois decidiu produzir tecidos de alto padrão e fundou a tecelagem Santaconstancia, hoje com 1 000 funcionários. Quando era pequena, lembro da minha mãe me mostrando a ponta de  um tecido com um nome impresso na borda, e dizendo: “olha cuida bem dessa roupa que essa não é qualquer uma, foi feita com tecido Santaconstancia”, nunca me esqueci da história porque o tecido tinha nome de santo e precisava ter mais cuidado.

A segunda geração Costanza Pascolato, a consultora de moda discreta, moderna e sempre com uma ar jovial. Um dos seus segredos é colecionar coisas que lhe fiquem bem, ela acredita que é melhor ir a uma festa com uma roupa mais velha com que se sinta bem e investir mais nos acessórios colocando-os sempre de uma forma especial.

O segredo da  Tecelagem Santaconstancia é o pioneirismo, apesar da tradição e do estilo, investem em tecidos inteligentes e criativos. Desde os anos 70 introduziram os jérseis leves, Cotton Lycra, Supplex com Lycra, investem em pesquisa e desenvolvimeto de novas tecnologias.

elegancia de mãe pra filha

Terceira Geração – Consuelo Bloker, a diretora internacional de estilo decidiu abrir pra todo mundo as tendências Internacionais de moda das passarelas e das ruas, o que antes era guardado a 7 chaves pela tecelagem hoje pode ser lido nos posts Consuelo Blog lá tem tudo que ela sabe e vê sobre as tendências pelo mundo a fora.

Só mesmo quem tem um expertise na fabricação e tradição em falar de estilo, poderia nos dar esse presente desse.

blogosfera em peso no brunch da Bobstore: @lilianeferrari, @ladyrasta @danischiavo, @luschievano @maria_fernanda, @vistuissu, @betaniasampaio, @biafioretti, @renata_giordano, @modaparausar, @consueloblocker


3 Comentários

Arquivado em de Mãe para Filha, SEGREDOS DE ESTADO, Tradição, Uncategorized

Dar o Peito é o Máximo!


Sema Mundial De Aleitamento Materno

de 1º a 7 de agosto

Caludia Leite campanha 2009

Todos os anos mais de 10.000.000 ( dez milhões) de crianças, com menos de 5 anos, morrem no mundo de doenças, que poderiam ter sido evitadas, se elas tivessem, no minimo, sido amamentadas exclusivamente até os 6 meses de vida.

Vanessa Lois e Thiago Lacerda 2007

Em 1990 foi criado pela Organização Mundial de Saúde e a UNICEF, um tratado chamado “ Declaração de Innocenti” para apoiar a amamentação em todo mundo  que tem como base:

• implantar com eficiência os 10 passos para o sucesso da amamentaçãoem todas as maternidades.

• Implementar o Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno e todas as resoluções relevantes da Assembléia Mundial de Saúde;

• Adotar legislação que proteja a mulher que amamenta no trabalho.

Dira Paes 2008

Pra que tudo isso fosse cumprido foi criado a WABA Aliança Mundial de Ação pró-Amamentação e a Semana Mundial de Aleitamento Materno, no Brasil o Ministério da Saúde e a Sociedade de Pediatria apoiam a campanha (ainda não lançada a campanha de 2010, quem será a escolhida)

BREASTFEEDING ~ Just 10 Steps! The Baby-Friendly Way

Os 10 passos para se tornar um entidade amiga da Amamentação são:

1. Ter uma política de promoção do aleitamento materno, afixada, a transmitir regularmente a toda a equipa de cuida dos de saúde.

2. Dar formação à equipa de cuidados de saúde para que implemente esta política.

3. Informar todas as grávidas sobre as vantagens e a prática do aleitamento materno.

Luiza Tomé 2003

4. Ajudar as mães a iniciarem o aleitamento materno na primeira meia hora após o nascimento.

5. Mostrar às mães como amamentar e manter a lactação, mesmo que tenham de ser separadas dos seus filhos temporariamente.

6. Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou líquido além do leite materno, a não ser que seja segundo indicação médica.

7. Praticar o alojamento conjunto: permitir que as mães e os bebês permaneçam juntos 24 horas por dia.

Isabel Filardis 2001

8. Dar de mamar sempre que o bebê queira.

9. Não dar tetinas ou chupetas às crianças amamentadas ao peito, até que esteja bem estabelecida a lactação.

10. Encorajar a criação de grupos de apoio ao aleitamento materno, encaminhando as mães para estes, após a alta do hospital ou da maternidade.

Glória Pires 2000

Esse ano será a 20ª semana e ela é simultânea em 120 países do dia 1º ao dia 7 de agosto, As campanhas da OMS são é implantadas em 14 idiomas diferentes, no Brasil é criada uma campanha própria.

A Semana Mundial de Aleitamento Materno será comemorada em vários eventos pelo Brasil vamos lá dar uma força e divulgar entre as mamães

SÃO PAULO-  no Horto Florestal, na zona Norte, com uma Caminhada de Incentivo ao Aleitamento, que acontecerá no dia 1º de agosto às 10:00h

No RIO DE JANEIRO o evento será no Leme é organizado  pelas AMIGAS DO PEITO, dia 1º de agosto às 9 horas!

Luiza Brunet 1999

Parabéns as mulheres que participaram dessas campanhas com orgulho de amamentar seus filhos e não tiveram vergonha de mostrar o peito publicamente. A brasileira não tem o hábito de amamentar em público, mais uma vez são as atrizes as modelos que inspiram muitas mamães!

Deixe um comentário

Arquivado em AMAMENTAÇÃO, Bebes e Mamães, de Mãe para Filha, DEUSA DO FEMININO, FILHOTES DE GENTE, Tradição

“Isso eu aprendi com minha mãe”


O feminino, na África, manifestado com toda sua energia

Ndebele uma tribo dissidentes dos Zulus do século XVII desenvolveu uma arte tribal maravilhosa, é expressionista, geométrica, colorida e preto e branca, precisa, criativa; são casas, roupas, acessórios, muitos grafismos com significado e importância. Passar de mãe para filha é a lei das Ndebele.

as meninas de miçangas

Ao nascer as mães Ndebele colocam na cintura do bebe um cordão de miçangas brancas, a medida que cresce aumentam as cores das contas que ão trazendo diferentes significados até a maturidade.

As meninas, usam uma saia com franjas toda feita de miçangas, colares e tornozeleiras tbem com miçangas e só com a puberdade elas passam a usar outros materiais couro ou metal e muda de status no vestuário.


3 momentos da mulher em forma de boneca, casada, noiva e menina

O mais interessante na adolescência é que ela ganha um boneca, que tem xale, anéis colares de metal que representa o seu novo papel de noiva.

As noivas começam a usar colares de metal e para o casamento as pernas também são revestidas de anéis de metal. Quanto mais bens o marido tem mais argola carrega no pescoço. Essas argola tem um poder místico de conexão com a ancestralidade do feminino. Tudo é feito em tom de cerimônia e ritual de passagem


Sem régua, esquadro ou gabarito, pura inspiração. Essas mulheres são hábeis com as miçangas e revestem tudo na sua estética geométrica, copos, cabos, painéis etc. No início dos tempos da tribo (1880) usavam bosta de vaca e terra para pintar (ikghuphu) com os dedos, e com o tempo passaram a usar pigmento. As casas são coletivas, chamada Umuzi e as meninas aprendem a pintar desde criança.

Essa arte é uma reza, uma conexão com o divino, cada mulher tem uma forma individual de expressão, quanto mais personalidade ela coloca na técnica da pintura e das miçangas mais valorizada é a mulher pela tribo. A Arte Ndebele é um privilégio feminino  e todos os dias as mulheres se encontram para bordar, costurar e pintar, é como se elas continuassem a praticar a tenda vermelha. Se uma menina não sabe pintar os murais e fazer miçangas não se casa. É maravilhoso uma sociedade que valorizar a mulher por sua arte e criatividade. (morri de inveja quero ir pra lá passar o dia todo pintando, ficar toda enfeitada e ser reconhecida por isso.AMEI!!!!!!)

As cores são primarias os grafismos super geométricos e hoje está incorporados objetos do cotidiano. É pra inspirar qualquer artista, designer gráfico. Para a Bia Fioretti a cultura Ndebele é um prato cheio: cultura, tradição, arte, feminino, herança de mãe para filha, é ovalor da essência do feminino na mais pura raiz.

O Alexandre Herchcovitch, andou se inspirando nas africanas Ndebele há alguns anos, nas sua coleção de inverno.

*baseado no livro Cultures South Africa, Peter Joyce, photographs by Roger e Path de la Harpe



1 comentário

Arquivado em ANCESTRAL, ARTE, África do Sul, Cerimonia de Casamento, Cuidados na África do Sul, de Mãe para Filha, DEUSA DO FEMININO, Dica na África do Sul, FASHION, GLAMOUR, IMPERDÍVEL, RODAR O MUNDO, Tradição, VIAJEI