Arquivo da categoria: DEUSA DO FEMININO

as mulheres que me serviram de exemplo, as sábias que são refeência, a avó árvore da Pocahontas

Dois de fevereiro, dia de Iemanjá


Dia dois de fevereiro
Dia de festa no mar
Eu quero ser o primeiro
A saudar Iemanjá

Escrevi um bilhete a ela Pedindo pra ela me ajudar

Ela então me respondeu
Que eu tivesse paciência de esperar

O presente que eu mandei pra ela

De cravos e rosas vingou
Chegou, chegou, chegou

Olinda, 2008, parteiras fazendo uma oferenda a Iemanjá na abertura ecumenica do Congresso Cais do Parto

texto: Dorival Caymi,  fotos: Bia FIoretti

 
 
 

Afinal que o dia dela chegou

1 comentário

Arquivado em ACONTECE, ANCESTRAL, DEUSA DO FEMININO, Homenagem, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, TODOS OS SANTOS, Tradição

Dia de Vênus



Acordar no domingo as 6:00 da manha, só por um bom motivo

Recebi um convite de amigas super queridas pra participar de uma corrida pelas ruas da cidade, depois da inscrição, boletos bancários, filas pra pegar o kit, nos encontramos hoje cedo na porta do Jockey Club: a Denise, Dominique, D. Penha, Denise, Wal e eu.

2011 Circuito Venus (homenagem a Deusa da beleza e amor), a maior corrida brasileira exclusiva só pra mulheres, além da corrida mil atividades por dois dias: yoga, pilates, manicure, massagens. “Programa super mulherezinha”.

Dá pra imaginar 2500 mulheres correndo, caminhando…. a turma da direita (a que tá subindo) são corredoras “profissas”, a turma da esquerda está um tanto a passeio e no bate papo. Onde é que eu tava?

Foi tudo bem pensado, água, isotônico, frutinhas, e pra atender a mulherada tinha banheiro pelo caminho, com direito a fila e tudo, “o povo num guenta mesmo”

A reta final é sempre empolgante e o blá, blá, blá da mulherada, na saída da prova, era que Daniela Cicarelli havia completado a prova em 25 min, blá, blá.

E como tudo termina em festa, camisetas, medalha, pingente de cristal, carinho das amigas e muita endorfina pra levar pra casa.

Um ship foi amarrado no tenis pra marcar o tempo da prova que foi informado por SMS no meu celular logo que acabou a prova (48 minutos). VALEU!

 

1 comentário

Arquivado em ACONTECE, DEUSA DO FEMININO, IMPERDÍVEL

A rainha do Samba é Oxum, a orixá da fertilidade


 

Manha pré carnavalesca com o Workshop de Samba, pra blogueiras organizado pela @lilianeferrari na Pulsarte, com a Solange Ferreira, rainha de bateria da Vai Vai por 7 anos.


 

A aula foi uma delícia, super didática,  ainda mais quando ela nos apresentou uma aluna muito especial, a Kanae, uma japonesinha de Osaka que depois de tanto vir ao Brasil pro Carnaval, decidiu entrar no samba e escolheu a Solange como professora, ela mudou de país e com seu corpo escultural desfila como passista da X9.  Solange afirma que todo mundo pode sambar e que uma aula queima 600 calorias,( Kanae que o diga, segundo ela tem tendências pra engordar.)

A Solange me contou que a palavra Samba significa brincadeira, brincar com o corpo, soltar o quadril com liberdade e tem como orixá Oxum.  A dança de Oxum é mímica da mulher faceira que se  embeleza e exibe os colares,  faz barulho com as pulseiras de cobre é vaidosa, sorri diante do espelho e é  feliz, e sedutora.

Oxum, rebola mexe os quadris, orixá das águas, é a deusa da fecundidade e da criação.  As mulheres pedem pra ela quando desejam ter filhos, ela também ajuda nos partos. Orixá da fecundidade, revive as deusas lunares de várias mitologias, que simbolizam a terra-mãe. (Todos os ingredientes que adoro: feminino, tradição e ritual.)

Ao invés de rasgar a fantasia a Kanae vai é tirar o kimono e já tá a ponto cair na folia.

Depois de todas essa historia deu mais vontade ainda de aprender a sambar, a Solange vai dar 2 workhopos antes do Carnaval na Pulsarte. E pra quem tiver vontade de se aprofundar no tema,  ela dá um curso regular de dança afro, aos sábados.

 

Deixe um comentário

Arquivado em ACONTECE, ANCESTRAL, DEUSA DO FEMININO, Mãe Natureza, mito, SHAMANICOS

Maria, parteira do próprio filho


A celebração do Natal (independente do aspecto religioso) é um período que se comemora um nascimento natural. Uma mulher que deu a luz  estando só, onde foi respeitado as forças da natureza, depois esse nascimento foi abençoado e brindado por reis e por astros.

Baltazar, árabe, levou incenso simbolizando a divindade do Menino Jesus
Belchior, indiano, levou ouro – um reconhecimento a Realeza
Gaspar era etíope, levou  mirra que simbolizou a Humanidade de Jesus

Que esse momento sirva, para os dias de hoje, como uma reflexão e exemplo para nascimentos abençoados e saudáveis. Esse vídeo é um poema brasileiro, não deixe de ver.

The celebration of Christmas (regardless of the religious aspect) is a time that marks a natural birth. A woman who gave birth standing alone, where she met the forces of nature, then this birth was blessed by kings and stars.

This celebration serves for us at this time as a reflection and an example for healthy births.


La celebración de la Navidad (con independencia del aspecto religioso) es un momento que marca un parto natural. Una mujer que dio a luz por sí solo, donde se reunió con las fuerzas de la naturaleza, este nacimiento fue bendecido por los reyes y las estrellas.

Ese momento sirve para el día de hoy, como un reflejo y un ejemplo para los nacimientos saludables.


2 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, BEATA LEi, Bebes e Mamães, DEUSA DO FEMININO, Mãe Natureza, parto natural, TODOS OS SANTOS

Um Orgasmo Absoluto


Quando o assunto é  orgasmo logo associamos à prazer. Quando se fala em parto, imediatamente lembramos de dor. Todos os partos na mídia mostram mulheres desesperadas, dores lancinantes e aquela expressão de destruição no final. E se eu dissesse que existe parto orgasmico, você acreditaria?

Resumindo leigamente: Na hora do parto a região vaginal está super irrigada de veias e por isso mais sensível, é como se todo o metabolismo feminino tivesse focado nessa área. Todos os hormônios estão trabalhando pra fazer com que o corpo ajude o bebe a nascer, esses hormônios são de 8 tipos diferentes (adrenalina, endorfina, oxitocina, prolactina são alguns exemplos) e todos funcionam em pólos opostos, um estimula o outro inibe.

Quando você salta de para quedas tem aquele pico de adrenalina e depois tem aquele prazer e quer saltar de novo. No parto é a mesma coisa, vc tem na hora da contração doses de adrenalina cada vez maiores e entre as contrações doses cada vez maiores de endorfina. A oxitocina, o hormônio do amor, da contração, também vai sendo liberado cada vez com mais intensidade. Todos os hormônios envolvidos no parto alcançam o seu ápice, assim a mulher pode atingir o ecxtase e ter maior orgasmo de toda sua vida, porque todos estão atuando potencialmente juntos.

Mas veja bem isso só vai ocorrer se todos esses hormônios trabalharem sem interferência alguma de outro medicamento.

Na hora que o bebe nasce e você olha pra cara da mãe feliz em êxtase, é a recompensa, o orgasmo que muitas vezes não está assumido, mas é um orgasmo. Ele é como um presente fisiológico que o corpo dá para mãe esquecer a dor e se apaixonar pelo bebe. Quantas vezes ouvimos das mãe, é difícil parir mas quando olhei a carinha do meu filho começaria tudo de novo. Nesse vídeo você vai conhecer a Debra Pascali Bonaro que fez um filme nos Estados Unidos chamado Orgasmic Birth.

Hoje é o aniversário do meu filho Pedro, ele nasceu dia 20 de outubro no dia do aniversário da minha mãe, de parto vaginal, cheio de interferências.  Na época eu não sabia que um parto poderia ser orgásmico e não pude viver essa experiência e nem dar de presente pra ele um parto tranqüilo.

Há dois anos a Debra lançou o filme Orgasmic Birth aqui no Brasil e vai voltar em novembro pra debater esse tema conosco, quem quiser conhece-la pessoalmente vá na III Conferência Internacional sobre Humanização do Parto e Nascimento, de 26 a 30 de novembro de 2010 em Brasília-DF.

Nos encontramos lá!

2 Comentários

Arquivado em DEUSA DO FEMININO, Mãe Natureza, parto natural, Tradição

Hoje, nada de Sexo


Lua cheia, Equinócio de Primavera e Rituais Pagãos de Fertilidade

As estações do ano sempre foram marcadas pela construção de templos e rituais. Antigamente não havia calendários e a única forma que havia de perceber o tempo era observar a natureza, seus ciclos de nascimento e a morte. Quem é que observava? As fortes e poderosas mulheres (viva as mulheres!)

Eu já estive em alguns templos em homenagem aos Solstícios, mas é no Equinócio de primavera que eram feitos os rituais de fertilidade, já que é na primavera o redespertar da terra, principalmente nos lugares frios onde ela estava adormecida, (pq será que comemoramos o dia da árvore , no Brasil, nessa semana?)

Há alguns anos estive em Agrigento, no sul da Sicilia (Itália), no Vale dos Templos (eles fizeram parte da Magna Grécia até perto do sec. XX e há mais monumentos em melhor estado de preservação lá do que na própria Grécia). Bem, nesse vale a comemoração do equinócio de primavera era importantíssima, e faziam um ritual bem feminino. Preste atenção: “Era proibido sexo nesse dia”, se alguém furasse a lei era um mal pressagio que a colheita seria ruim, até as prostitutas tinham que participar.

Em determinado horário todas as mulheres, principalmente as virgens e as mulheres menstruadas se agachavam nuas na terra para rezar.  Elas  pediam para a mãe terra para que, tanto para elas quanto a colheita fossem férteis. Elas cantavam e dançavam  para a terra e para a lua. (Hoje é lua cheia, hiiii).

O ritual era apenas para mulheres pois eles acreditavam que a resposta da mãe natureza era uma resposta no formato masculino dos alimentos principalmente os legumes: fortes, rígido e fálicos. Uma relação entre oferendas das energias do feminino para as forças do masculino.

Vale dos Templos, Agrigento Sicilia

Agora se pensarmos em tradições de outros lugares, hoje é dia de acender a fogueira, comer mel,  tocar o sino e dia de pintar ovos (um símbolo da fertilidade). A páscoa foi uma cristianização dessas oferendas pagãs, (equinócio de primavera europeu é em março na época da páscoa). Alguns feriados móveis  judaico também são comemorados próximo ao equinócio.

Ainda bem que o tempo passou e hoje não é mais um dia de abstinência sexual, mas vale conheçer essa historinha.

4 Comentários

Arquivado em DEUSA DO FEMININO, masculino e feminino, Mãe Natureza, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição, VIAJEI

Pachamama – a grande Deusa


ícone da Pachamama é representada pela renovação, parindo um mundo novo.

1º de agosto, hoje é o dia da Pachamana.

Para os andinos é a mãe Terra. Palavra do quíchua, língua dos índios peruanos, mas Pachamana é mais do que uma palavra, significa viver em harmonia total com o planeta.

Pacha = universo, mundo, lugar, tempo / Mama= mãe / Pachamama = a abundância de tudo

É a fonte, é abundância, é renascimento do planeta. É a vida, as estações do ano, a fecundidade, os ciclos morte e renascimento – Pachamama é a semente, É parir a si mesmo, a continuidade da vida

Conectar-se com a grande mãe é se conectar com a abundância da vida

As montanhas do Himalaia representam a irradiação magnética do masculino, enquanto qua a Cordilheira dos Andes é o polo do feminino.

Segundo os Andinos, uma das mudanças previstas pra 2012 é completar a troca da polaridade da energia do planeta. Até poucos anos o planeta foi regido pela energia  masculina localizada no Himalaia, que favorecia o desenvolvimento da razão,  tecnologia e ciência, essa força agora,  está sendo levada apara um 2º plano. A gora desperta nos Andes uma fonte  feminina, o planeta não estará com seu foco em conquistas do desenvolvimento racional e sim dará o lugar à energia de social de proteção. 

O planeta passará ser regido pela energia de transformação e germinação. Pachamama é a mãe dos homens, ela amadurece os frutos, multiplica o ganho, acaba com as pragas e traz sorte aos lares.

Isso não é uma questão de genero entre homens e mulheres, as mulheres não serão melhores que homens ou vice-versa,  é uma energia da preservação, do cuidado com o planeta e com as pessoas. O desenvolvimento tecnológico será para proteger, reciclar, transformar  e não destruir o meio ambiente.

Será que isso já não começou?

Os andinos fazem oferendas, milho, comida cozida, folha de coca, tabaco, cerveja, doces enterrados enterrados perto de casa.

Diz a lenda que Pachamama é uma velha senhora, e quem a vê retorna aos Andes.

Senti a presença dela enquanto debulhava o milho, nessa foto em uma feira livre, em Otavalo no Ecuador ! O que você acha?

5 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, DEUSA DO FEMININO, EXPERÊNCIA DE VIDA, INESQUECÍEL, masculino e feminino, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição