Arquivo da categoria: VIAJEI

opinião pessoal sem comprovação cientifica

Navegar de Balão


Dia 20 de agosto de 2016, a única previsão garantida seria de fortes emoções

2 copy

Regata Aratú Maragogipe a maior regata fluvial do Brasil,

2.3

Desde 1969  os antigos e tradicionais saveiros faziam uma regata para homenagear o padroeiros da cidade de Maragogipe “Regata de São Bartolomeu”. A regata original era apenas de saveiros, atualmente é uma grande festa pra todos os amantes do mar.

3.3

Foi minha primeira regata de competição. Mais de 100 barcos de velas içadas, subdivididos em 4 categorias, se amontoavam na Bahia de Todos os Santos

4_o

Observar a maré, os ventos e definir uma estratégia de largada, tudo calculado,   saímos bem, mas alguém queimou a largada

9.1

                                O mar ainda estava pontilhado em branco e preto.                                                                 E todos manobraram de volta. Mais 15 minutos de espera,                                  mais uma vez decidir que direção tomar com um vento cada vez mais indeciso.

8

Literalmente,  uma fragata da marinha entre nós.

9

O mar foi colorido por balões inflados pela popa.

10

O roteiro era pré-determinado, as boias foram previamente definidas, mesmo assim surpresas cruzavam nosso caminho, era  necessário redobrarmos a tenção.

12.1

                 Hora de abrir Gennaker, 125m de tecido, um tamanho gigantesco,                       um peso enorme, suspenso em apenas três pontas.

11

E ficou aberto em uma asa de pombo de 20 metros de altura

12.2_o copy

Pouco a pouco vamos ganhando posições e navegando sobre o Rio Paraguaçu

34

E vamos nos aproximando dos barcos que saíram na primeira bateria, como os antigos Saveiros, os grandes mestres por estas águas.

13

Milha a milha a chegada se aproxima, e deixo de ser marinheira de primeira regata.

15

 Maragogipe na linha do horizonte.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em ACONTECE, FESTAS POPULARES, RODAR O MUNDO, VIAJEI

Onde foi parar a fita K7?


Não dá pra imaginar o mundo antes da fita K7. Me lembro um dia que meu pai herdou um gravador de rolo, era um tesouro e um trambolho. Depois esse rolo virou um carretel pequeno, facilmente transportado e customizado. Editar as próprias músicas, gravar as pessoas e poder transportar isso com vc pra todo canto foi revolucionário.

Os primeiros gravadores e as fita K7 foram criado pela Philips mas foi a Sony que surpreendeu, no final dos anos 70, com o walkman. Meu primeiro walkman, da Sony, ganhei de um namorado que o pai dele havia trazido do Japão, foi  dos presentes mais incríveis que já tinha ganho, era portátil, podia customizar as músicas e tinha um fone de ouvido revolucionário. Aquele foi o início do som individual precursor dos Ipods da vida, (e hoje não conseguimos nos imaginar sem eles).

Perguntei pra alguns amigos e muitos ainda guardam com carinho as relíquias dos seus K7s pessoais, mas nunca mais as ouviram e nem sabem se ainda funcionam.


Outro dia, no bazar Ser Sustentável com Estilo da @chiaragadaleta, me apaixonei por uma bolsa, feita em tear, com fita k7, meu saudosismo atacou e não resisti.

Mas, o que mais me intriga é imaginar o conteúdo das informações que tem dentro dessas fibras, música, uma gravação de uma festa, a voz de uma criança ou um mapa astral?

Qual o segredo guardado dentro desse tecido sintético feito em tear manual. Olho pra ela e penso lixo ou luxo? A customização da informação gravada em uma fita magnética, que já foi de alta tecnologia, foi trabalhada como uma fio natural.

Seja qual for a resposta vou passear por aí com essas informações incógnitas.

10 Comentários

Arquivado em ARTE, CUSTOMIZAÇÃO, EXPERÊNCIA DE VIDA, GLAMOUR, MEUS LOOKS, VIAJEI

Dublin: bêbados, exóticos ou geniais?


Portas, janelas e garagem

Quando a estética conta uma história.

Baile Átha Cliath em Irlandês, Duibhlinn em gaélico, formada originalmente por Celtas depois invadida por Nórdicos, Vikings e Ingleses. Essa origem étnica deu a Dublin um caráter pluri-cultural. Até hoje nem os estrangeiros resistem aos costumes locais, essa fantástica mistura de culturas resulta na personalidade exótica da capital da Irlanda.

As portas coloridas são uma marca registrada da cidade.

Reza a lenda  popular: “as mulheres cansadas de ver os seus maridos bêbados enganarem de porta, subirem as escadas e terminarem na cama com a esposa do vizinho,  fez com que essas senhoras inconformadas, pintassem as portas de cores reluzentes para que seus maridos pudessem encontrar o caminho de volta”.

Barra an Teampaill (em irlandês) é uma área na margem sul do rio Liffety, no centro de Dublin, mais conhecida como Temple Bar tem ruas estreitas e empedradas com o ar medieval, é o bairro cultural de Dublin, tem uma vida noturna intensa e animada, os turistas vibram em pular de bar em bar para ouvir música irlandesa da melhor qualidade e beber cerveja, bares, música ao vivo, teatro e bons restaurantes estão aqui. (a Temple Bar é como o Pelourinho para Salvador)

Seven Drunken Nights, é uma dos clássicos do folclore irlandês, um bêbado é corneado pela mulher porque sai pra beber as 7 noites da semana (na primeira noite ele volta pra casa e vê um cavalo na porta, na segunda vê um par de botas….). Dá pra vc imaginar dezenas de pessoas eufóricas cantando essa música e batendo palmas nos bares (esse filmino tem uma animação bizarra mas conta a historinha da música)

A ironia está por toda Dublin.

Andando pelas ruas da periferia da cidade achei algumas pérolas que não estão nos álbuns dos turistas.

 

A janela de um prédio abandonado, há um copo da cerveja Guinness ao lado da máscara, dois elementos simples que faz a nossa imaginação viajar.

 

O que me intrigou mesmo não foram as portas e janelas da cidade e sim essa garagem.

As pessoas sempre encontram uma forma pessoal de se expressar!

 

uma rua qualquer na periferia

 

Reciclagem? Desleixo? Um jardim suspenso? Porque esse morador se deu a tanto trabalho?

Tinha jardim até no banco do carro

A única coisa que concluí é: quando começar o frio e antes da neve chegar todo esse jardim não existirá mais e será uma ótima oportunidade desse morador repensar o apego a relíquia da sua garagem. O que você acha? Dê a sua opinião.

O que importa mesmo é que em Dublin tem alegria, simpatia, expressão, personalidade, é dos lugares mais interessantes que já estive e que assim que eu puder volto pra lá. Vale a Dica!

Deixe um comentário

Arquivado em ACONTECE, IMPERDÍVEL, RODAR O MUNDO, VIAJEI

Keith Haring aos pés da Puma


Um dos ícones da pop art nos anos 80, Kate Haring foi o artista gráfico que levou a arte das ruas para as galerias, sua expressão era uma linguagem simplificada, figuras alegres  que pregava o amor entre as diferenças

Homossexual assumido, morreu vítima da AIDS. Ele foi mais do que um artista, foi um ativista pela prevenção do vírus HIV, da sua luta além da arte, ficou uma fundação ativa até hoje

Cadarço amarelo ou branco?

Um sneaker como se vc tivesse calçando um cartoon, muitos ícones do Keith Haring, cores primarias, grafismos, texturas contornos grossos, aspas.

Simplesmente o humor levado ao pé da letra.

Não resisti!


3 Comentários

Arquivado em ARTE, FASHION, IMPERDÍVEL, MEUS LOOKS, VIAJEI

Hoje, nada de Sexo


Lua cheia, Equinócio de Primavera e Rituais Pagãos de Fertilidade

As estações do ano sempre foram marcadas pela construção de templos e rituais. Antigamente não havia calendários e a única forma que havia de perceber o tempo era observar a natureza, seus ciclos de nascimento e a morte. Quem é que observava? As fortes e poderosas mulheres (viva as mulheres!)

Eu já estive em alguns templos em homenagem aos Solstícios, mas é no Equinócio de primavera que eram feitos os rituais de fertilidade, já que é na primavera o redespertar da terra, principalmente nos lugares frios onde ela estava adormecida, (pq será que comemoramos o dia da árvore , no Brasil, nessa semana?)

Há alguns anos estive em Agrigento, no sul da Sicilia (Itália), no Vale dos Templos (eles fizeram parte da Magna Grécia até perto do sec. XX e há mais monumentos em melhor estado de preservação lá do que na própria Grécia). Bem, nesse vale a comemoração do equinócio de primavera era importantíssima, e faziam um ritual bem feminino. Preste atenção: “Era proibido sexo nesse dia”, se alguém furasse a lei era um mal pressagio que a colheita seria ruim, até as prostitutas tinham que participar.

Em determinado horário todas as mulheres, principalmente as virgens e as mulheres menstruadas se agachavam nuas na terra para rezar.  Elas  pediam para a mãe terra para que, tanto para elas quanto a colheita fossem férteis. Elas cantavam e dançavam  para a terra e para a lua. (Hoje é lua cheia, hiiii).

O ritual era apenas para mulheres pois eles acreditavam que a resposta da mãe natureza era uma resposta no formato masculino dos alimentos principalmente os legumes: fortes, rígido e fálicos. Uma relação entre oferendas das energias do feminino para as forças do masculino.

Vale dos Templos, Agrigento Sicilia

Agora se pensarmos em tradições de outros lugares, hoje é dia de acender a fogueira, comer mel,  tocar o sino e dia de pintar ovos (um símbolo da fertilidade). A páscoa foi uma cristianização dessas oferendas pagãs, (equinócio de primavera europeu é em março na época da páscoa). Alguns feriados móveis  judaico também são comemorados próximo ao equinócio.

Ainda bem que o tempo passou e hoje não é mais um dia de abstinência sexual, mas vale conheçer essa historinha.

4 Comentários

Arquivado em DEUSA DO FEMININO, masculino e feminino, Mãe Natureza, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição, VIAJEI

Explosões no Castelo de Edinburgh


muita cor e fumaça no cenário medieval

Domingo, dia 05 de setembro – a Princes Street Gardens, Edinburgh/ Escócia parecia a praia de Copacabana no final do ano (nas devidas proporções claro) para ouvir os 45 minutos de Fireworks Concert, lançados do famoso castelo medieval de 1.400 anos.

vistada cidade do topo do castelo dia 05/09/2010

O concerto que une pirotecnia e música encerra o maior festival de arte e cultura do mundo que chega a receber um milhão de pessoas e acontece anualmente nas três últimas semanas de agosto desde 1947

Edinburgh International Festival

Fireworks Concert

O castelo, naquele cenário noturno, envolvido em estrondos e nuvens de fumaça alimentava e enchia de mistério a nossa fantasia.

castelo de Edinburgh sobre um rochedo no ponto mais alto da cidade

Não era um show de fogos num castelo qualquer, (como o falso castelo da Cinderela na Disney), eram fogos e castelo de verdade. A rainha que morava nele foi ninguém menos que a lendária rainha escocesa Mary Stuart que foi decapitada pela prima inglesa Elisabeth I. Mary  Stuart teve vááários maridos e um filho James VI, nascido neste castelo dia 19/06/1566. O príncipe nasceu num quartinho minúsculo entre 10 e 11 da manhã, logo tiraram o bebe do colo da rainha para mostrá-lo ao pai, Lord Henry Darnley e à corte (mesmo naquela época já separavam as mães dos filhos. Nem rainha tem vez?). Mary foi coroada com 9 dias de nascida, seu filho foi coroado com 1 ano de idade, mesmo coroado com tanta precocidade James VI teve um papel de destaque na história, ele simplesmente unificou a Inglaterra e Escócia.

O castelo tem um significado muito especial para o escoceses. Os fogos são a apoteose do festival que é a maior badalação cultural do verão europeu. O dia ainda estava quente com finalzinho do verão, os bares cheios e muita energia na rua com gosto de fim de festa.

Há séculos nesse lugar era guardada a munição dos canhões, hoje estão fogos de artificio, o que antes era por motivo de guerra hoje é confraternização


3 Comentários

Arquivado em ACONTECE, ARTE, IMPERDÍVEL, INESQUECÍEL, NEM TE CONTO!, RODAR O MUNDO, VIAJEI

O CORPO do Brasil em Edinburgh


Edinburgh International Festival de 13 de agosto a 5 de setembro

Música, dança, humor, performance em todos os cantos da cidade.

Deslumbrada com a cidade vi um grande painel estampado num edifício, qual foi meu espanto quando descobri que a plasticidade e a beleza daquela imagem  que anunciava o festival era do Grupo Corpo, uma companhia de dança contemporânea brasileira criada em 1975 em Belo Horizonte pela família Pederneiras.

página do folder do festival

Eles levaram o nosso ritmo e sensualidade para Edinburgh, associado a tecnologia de ponta na dança contemporânea em dois espetáculos:  •Onqotô: funk latino com toque de futebol carioca, música de Caetano Veloso e José Miguel Wisnik. •Parabelo trouxe a nossa raiz para o Festival, música de Tom Zé e Zé Miguel Wisnik. Ambos coreografados por Rodrigo Pederneiras, figurinos de Freusa Zechmeister e light designer do Paulo Pederneiras

Como todo evento oficial o festival de Edinburgh tem, simultaneamente, outros festivais concorrentes que fazem o genero “off Broadway”

o festival paralelo mais famoso é o Fringe

Ele premia tendências em música, teatro, dança e é bem disputado.

Dica quente para os moderninhos de plantão

o Fringe  desenvolve uma linha própria de acessórios, camisetas com uma propostas bem gráfica, que depois se tornam  itens de coleção .

essas eu trouxe pra mim

Pra quem já faz planos pro ano que vem The Edinburgh Festival Passport já está disponível pra venda, será de 5 a 29 de agosto de 2011. Recomendo, vale a pena!

1 comentário

Arquivado em ACONTECE, ARTE, IMPERDÍVEL, RODAR O MUNDO, VIAJEI