Arquivo da categoria: Cerimonia de Casamento

“Isso eu aprendi com minha mãe”


O feminino, na África, manifestado com toda sua energia

Ndebele uma tribo dissidentes dos Zulus do século XVII desenvolveu uma arte tribal maravilhosa, é expressionista, geométrica, colorida e preto e branca, precisa, criativa; são casas, roupas, acessórios, muitos grafismos com significado e importância. Passar de mãe para filha é a lei das Ndebele.

as meninas de miçangas

Ao nascer as mães Ndebele colocam na cintura do bebe um cordão de miçangas brancas, a medida que cresce aumentam as cores das contas que ão trazendo diferentes significados até a maturidade.

As meninas, usam uma saia com franjas toda feita de miçangas, colares e tornozeleiras tbem com miçangas e só com a puberdade elas passam a usar outros materiais couro ou metal e muda de status no vestuário.


3 momentos da mulher em forma de boneca, casada, noiva e menina

O mais interessante na adolescência é que ela ganha um boneca, que tem xale, anéis colares de metal que representa o seu novo papel de noiva.

As noivas começam a usar colares de metal e para o casamento as pernas também são revestidas de anéis de metal. Quanto mais bens o marido tem mais argola carrega no pescoço. Essas argola tem um poder místico de conexão com a ancestralidade do feminino. Tudo é feito em tom de cerimônia e ritual de passagem


Sem régua, esquadro ou gabarito, pura inspiração. Essas mulheres são hábeis com as miçangas e revestem tudo na sua estética geométrica, copos, cabos, painéis etc. No início dos tempos da tribo (1880) usavam bosta de vaca e terra para pintar (ikghuphu) com os dedos, e com o tempo passaram a usar pigmento. As casas são coletivas, chamada Umuzi e as meninas aprendem a pintar desde criança.

Essa arte é uma reza, uma conexão com o divino, cada mulher tem uma forma individual de expressão, quanto mais personalidade ela coloca na técnica da pintura e das miçangas mais valorizada é a mulher pela tribo. A Arte Ndebele é um privilégio feminino  e todos os dias as mulheres se encontram para bordar, costurar e pintar, é como se elas continuassem a praticar a tenda vermelha. Se uma menina não sabe pintar os murais e fazer miçangas não se casa. É maravilhoso uma sociedade que valorizar a mulher por sua arte e criatividade. (morri de inveja quero ir pra lá passar o dia todo pintando, ficar toda enfeitada e ser reconhecida por isso.AMEI!!!!!!)

As cores são primarias os grafismos super geométricos e hoje está incorporados objetos do cotidiano. É pra inspirar qualquer artista, designer gráfico. Para a Bia Fioretti a cultura Ndebele é um prato cheio: cultura, tradição, arte, feminino, herança de mãe para filha, é ovalor da essência do feminino na mais pura raiz.

O Alexandre Herchcovitch, andou se inspirando nas africanas Ndebele há alguns anos, nas sua coleção de inverno.

*baseado no livro Cultures South Africa, Peter Joyce, photographs by Roger e Path de la Harpe



1 comentário

Arquivado em ANCESTRAL, ARTE, África do Sul, Cerimonia de Casamento, Cuidados na África do Sul, de Mãe para Filha, DEUSA DO FEMININO, Dica na África do Sul, FASHION, GLAMOUR, IMPERDÍVEL, RODAR O MUNDO, Tradição, VIAJEI

Nação Zulu- dica na África do Sul


KAWAZULU = lugar do Paraíso, a região onde o guerreiro kraal Shaka viveu suas vitórias sangrentas, foi reconstruído pra uma superprodução cinematográfica. Vários nativos que dominavam os costumes Zulus foram contratados pra reconstruir uma autentica aldeia Zulu do sec. XIX.

foto de 1885

A história do estrategista repete as muitas outras de outras partes mundo, filho bastardo do rei com a mulher mais linda do povo, Shaka, nasceu e cresceu repudiado pela comunidade, até que se tornar um heroi ao mudar a forma de guerrear, criou novas lanças, mais curtas e com a ponta longa e os novos escudos. Ele inventou manobras de guerra e treinou seu exercito, que o tornou “quase” invencível. Como ele tinha muita mágoa interior, destruia quem aparecia na sua frente. Criou-se o Mito Shaka Zulu.

Depois do filme pronto a aldeia foi devolvida pra comunidade que transformou o local num projeto sustentável, apesar da miséria da região é seguro  visitar a aldeia e pode tirar foto a vontade.

o lugar é bem inspirador

Cheguei ontem em Durban e hoje deram um jeito de eu visitar a aldeia que fica no caminho pra Moçambique. Na vila vive várias famílias, 80 pessoas, responsáveis por manter as tradições Zulus, fazem artesanato, ensinam as danças, as músicas, fazem a cerveja e usam indumentárias típicas, tem até um centro cultural. As crianças, filhos dessa comunidade tem ônibus especial pra ir a escola. O governo dá subsídios pra manter viva a herança cultural do temido guerreiro, amado e odiado por muitos (depende do lado que vc tá, se vê é Zulu ou se vc é de outra etienia ,Shaka matava qquer um que não fosse Zulu, mesmo de outra etienias afros). A geografia é linda tudo a céu aberto; nada, nada fake. Tudo é real vivo e funciona.

imagino esse pessoal dançando na abertura da Copa do Mundo aqui na África.

O povo Zulu é cinco vezes maior que a população branca, até o presidente da África do Sul é Zulu.

A vista vale a pena, tem almoço típico, vendem todo tipo de artezanato, mas dá prazer em comprar da mão de quem acabou de fazer, (não tem nada de made in China). O ritmo, a dança é um misto de nativos com samba, tem até cuíca. Dá pra sentir como temos referências em comum. Eu que fico a procura de símbolos do universo feminino encontrei muita coisa, muitas mulheres com bebes, muitos icones, pra rechear o meu trabalho das parteiras, até casamento zulu eu consegui. Finalmente Bia Fioretti pesquisa as mulheres da África do Sul, um sonho que se realiza.

A viagem pra chegar  em Shakaland é longa, boa parte pela costa do Oceano Indico, mas vale a pena, se preferir dá pra se hospedar na comunidade, tem quartos com conforto e serviço de hotel. Pra quem for ver os jogos em Durban, vale a dica de um programa pra fazer entre os jogos de futebol. E lindo e a cuíca faz ferver o nosso sangue com o rítmo.

vista do restaurante dentro da tribo

4 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, AVENTURA, África do Sul, Cerimonia de Casamento, EXPERÊNCIA DE VIDA, IMPERDÍVEL, mito, RODAR O MUNDO, SHAMANICOS, Tradição, VIAJEI