Arquivo da categoria: NEM TE CONTO!

dicas, sugestões

Kiki de Montparnasse


Essa Alice, sim, é uma Maravilha!

Alice Prin, nasceu em Chantillon-sur-Seine em 1902, aos 15 anos pra fugir do tédio e exaustão do trabalho em uma padaria resolveu aceitar uma proposta de ser modelo. Ahñ??? modelo no início do seculo XX???? Sim modelo nua, daquelas mulheres peladas que posam para pintores. Pelo menos até ser pega em flagrante, por sua mãe que ao ver a cena surta, expulsa e deserdada a menina. Alice, aos 16 anos (1918) foi viver em Paris, precisamente em Montparnasse no meio dos artistas, fazendo o que sabia fazer melhor, exibir o seu corpinho nú.

Alice se tornou Kiki de Montparnasse, a queridinha, a “popular”, a musa inspiradora de todos os artistas. Seu corpo foi retratado de todas as formas, em todos os estilos, estava em todas as exposições. Kiki não era prostituta, ela era liberada e os amantes era ela quem escolhia.

Viveu com vários artistas mas ficou muitos anos com fotografo Man Ray, posou para Kisling, Fujita, Calder,Lerger

Kiki por Kinsilig

Ela foi amiga de Utrillo, Miró, Matisse, Stravinsky, Modigliani e até de Picasso. Ela não vacilava em colocar a sua sexualidade a serviço de seus amigos, mostrava os peitos ou levantava a saia pelas mesas de bar só para arrecadar uns trocados pra algum artista amigo que tivesse necessitado de grana.

Na realidade Kiki foi uma mulher emancipada nos anos 20. Mais do que  libertina a sua maior ousadia foi ter liberdade de expressão.



Ernest Hemingway

Kiki foi musa  inspiradora em quadros, fotos, manifestos. Mas ela também foi uma artista: foi dançarina e cantora de cabaret, fez desenhos e teve sua própra exposição,  escreveu um livro de memórias de infância, que óbvio, o livro foi censurado ( censura até naquela época). Imaginem só, o prefácio de seu livro foi escrito por alguem nada menos que Hemingway: ela era maravilhosa de se ver, sendo seu rosto naturalmente bonito, ela o havia convertido em obra de arte, tinha um corpo prodigiosamente belo e uma voz agradável…. Kiki foi sem dúvida a rainha desse bairro de artista, sonho e destino de milhões de pessoas nos anos 20, e chegou a simbolizar tudo que oferecia Montparnasse”. Naqueles poucos quarteirões,  entre os anos 1900/1930, aquele grupo de artistas mudarar am o conceito da estética, Marcel Duchamp  definiu como “a primeira colônia de artistas verdadeiramente internacional


desenho que Kiki fez dos dois

Kiki, foi amante de Man Ray,  fotografo surrealista, quando se conheceram ela disse: “Conheci um americano que faz fotos incríveis. Vou posar para ele, ele tem uma pronuncia que me encanta e está sempre envolvido em ar de mistério”

Enquanto ela achava isso dele Man Ray dizia pra ela: Kiki não me olhe desse jeito, me faz sentir um estranho!”

Man Ray pediu pra Kiki posar pra ele, ela brincou dizendo que as fotos mostrariam seu pequeno defeito físico, ele insistiu até que finalmente ela aceitou.”Tirei vários retratos concentranto-me em seu rosto. Pronto desisti… outros pensamentos me atormentavam sem cessar. Disse que se vestisse e fomos a um café.

"Le violon d’Ingres" foto Man Ray

No dia seguinte, “Assim que ela chegou, mostrei as fotos e ela ficou muito impressionada e logo decidiu tirar a roupa , atrás de um biombo, enquanto eu arrumava câmera fotográfica  sentado na borda da cama.  Quando ela apareceu, disse que sentasse ao meu lado. A envolvi com meus braços e ela fez o mesmo; nossos lábios se encontraram e nos jogamos na cama. Aquela tarde não houve sessão de fotografia.


Man Ray fotografou Kiki por anos, ele é  dos primeiros artistas a trabalhar sistematicamente com a mesma modelo desse trabalho resultou a série de fotocolagem de  Kiki – uma obra surrealista da fotografia, 1924

Footage de Ki ki from the films of Man Ray and Fernand Leger. For an extra beautiful Kiki experience

filme surealista – i m p r e s s i o n a n t e – foi  feito nos anos 20


Kiki depois dos anos trinta se apaixonou por um arrecadador de impostos que tocava acordeom e piano. No inicio ele ia busca-la na saída de seus shows de Cabaré, depois aos pouco ele a afastou do grupo  e foram fazer shows em Paris, até Kiki ter seu próprio  cabaré Chez Kiki.

O espírito irreverente e desafiador de Kiki está interpretado e exposto em muitos museus pelo mundo. Kiki apesar de  toda sua liberdade sexual, nos oferece, com suas histórias um tempero especial além das cores e dos ollares brisados  que estão congelados nas paredes. Sepre me  perguntei, quem teriam sido essas modelos?

Podemos dizer que Kiki  de Montparnasse foi uma mulher impressionista com espírito e atitudes surrealista.

Bia Fioretti


No mes passado quando saí das Canárias passei 24 horas em Madrid, lá encontrei um livro El Paris de Kiki, enorme pesadissimo mas não resisti. Essa semana nem acreditei qdo vi no caderno 2 do Estadão o lançamneto dos quadrinhos. Se quiser  ler a histórinha dela de uma forma deliciosa e cheio de humor , vá nos quadrinho , se quiser conhecer a historia de Montparnasse, com mapas, convites, as historias de todos os artistas, prefira encomendar o livro, apesar do trabalhão vc fará uma  tremenda viagem !

Kiki de Montparnasse – de Catel Muller e Louis Bocquet – em português -vencedor do Prix Essentiel FNAC em Angoulême, do Grand Prix RTL Comic Strip e do Millepages BD. O livro chega agora ao Brasil pela Editora Record. Mais sobre quadrinhos aqui

ElParis de Kiki, artistas e Amantes 1900 1930 Billy Klüver Julie Martin –Tusquets editores

* base de informação dos textos e imagens dos livros acima, meramente informativo

5 Comentários

Arquivado em EXPERÊNCIA DE VIDA, GLAMOUR, mito, NEM TE CONTO!, SEGREDOS DE ESTADO

Vanguarda ou tradição, porque não os dois?


tia Iracema, entre 1930/40

Tia Iracema (irmã da minha bisavó) foi das mulheres mais incríveis que já conheci. Foi um grande personagem da minha adolescência.

Imagine uma senhora de mais de 80 anos vivendo nos anos 70, vestido de velhinha, sapato de velhinha, salto baixo plataforma com seu enorme dedão a mostra. O cabelo, igual da foto, branco mais macio que algodão com corte Chanel.

lata de 1971

Na época lançaram as primeiras cervejas de lata. Uma lata tão forte que não amassava. UAU! Abrir uma lata e ouvir o barulho. ZZZZZZZZ!

Tia Iracema vivia no Rio, nós morávamos em São Paulo, estávamos passando as férias na cidade maravilhosa e como de costume fomos vitar a bisavó (ela morava na rua Joana Angélica), encontrei tia Iracema a caminho da igreja Nossa Sra da Paz, quando ela me viu, me chamou de lado e mostrou, em pimeira mão e com o maior  orgulho, o relógio que tinha acabado de fazer.

Ela havia desmontado seu antigo relógio de ouro, customizou uma pulseira feita de argolas de cerveja e pequenos alfinetes dourados. Incrível!

infelizmente não herdei o arroubo criativo da titia, então criei esse modelito no photoshop

era deboche ou genialidade? Olhava o pulso dela absoutamente  fascinada,  era a coisa mais incrível  que já tinha visto,  imaginava ela rezando e a cara do padre vendo relógio da beata? KKKK (veja bem, estávamos nos anos 70 e ela já havia reciclado uma latinha de cerveja).

Só de ouvir as risadas de tia Iracema com as outras tias era motivo suficiente pra eu largar qualquer brincadeira com as outras crianças. Apelidei-a de Tiazona,  era tia + ZONA (alegria + bagunça).

meu pai, arquiteto, também era bem moderninho

Então Tiazona veio nos visitar em São Paulo, (lembre-se anos 70s). No final da tarde ela e meu pai sentaram no sofá da sala, ela pediu um cerveja preta e também queria escutar uma música, aquela, disse ela,  que começa com o barulho das moedas. Pink Floyd? Aquela música que meu pai escutava sempre e que na época eu não dava a menor bola? Foi aí, que dei valor aquele disco com capa preta com as cores do arco-íris. Se Tiazona gostava devia ser bom mesmo.

Eu, uma menina quase uma adolescente que acreditava que a pessoa mais moderna do mundo era uma tia velha irreverente. Incrível!

Ela trouxe de presente pra minha mãe o jornal do descida do homem na lua (que havia sido alguns anos antes), ela disse que era um presente para meu irmão que nasceu em 69, com o argumento nunca guardávamos a nossa memória junto com os acontecimentos marcantes que permeavam as nossas vidas.

lembro-me bem desse dia,  estava deitada no colo da minha mãe, com a cabeça na barrigão dela, na hora que o homem pisou na lua, o meu irmão deu um chute bem forte, eu levei um susto. A barriga da minha mãe era mais estranha que a lua. Ou teria um astronauta lá dentro?

Quando Tiazona morreu devia ter uns 16 anos . Fomos ao Rio para o enterro e para esvaziar o quartinho que ela vivia. Minha mãe, minha tia, e eu abrindo caixas. (sabe porque adoro fazer albuns e arrumar meus guardados? para o dia que eu morrer as pessoas entenderem a minha história e terem pena de joga-la no lixo, faço direção de arte em albuns, caixas, bloquinhos de anotações) Muitos papéis, revistas e alguns livros, fiquei com dois livros encadernados escritos a mão que iam para o lixo e uma caixa de prata com as iniciais LG ( depois conto o significado dessa inicial).

Os livros eram os diários contábeis de soldos de almirante, do falecido marido, datam desde 1907 , além disso haviam muitos documentos de patentes militares e condecorações, assinado inclusive por D. Pedro, isso será assunto pra muitos posts…aguardem

Esse é um dos books – o passado, o presente e o futuro – todos alinhados em uma tenue linha. Pra  tia Iracema o tempo era apenas uma questão de cronologia onde os 3 tinham a mesma importância.

Fazendo esse post, me dou conta que mesmo eu sendo criança já buscava uma referência do que é a magia de envelhecer. Tia Iracema é um dos vértices do feminino dessa Bia Fioretti, que tanto busca a essência nas mulheres pelo mundo.

Com essa tia, aprendi a traçar um paralelo das nossas vidas com a história – associar os contecimentos juntos na nossa memória. Hoje eu digo que ao traçar uma linha do tempo, o futuro pode estar tão eqüidistante quanto o passado. Como fazer isso? Pra mim é manter o passado consciente, os sentidos aguçados em alerta e encontrar e transformá-los em tendências. Vc não poderá prever a história mas quem sabe poderá fazer parte dela.

Ter tias fortes com um feminino marcante me faz lembrar um livro lindo, “ A Ciranda das Mulheres Sábias”,  Clarissa Pinkola Estés – que fala muito da influência de tias fortes na nossa vida. É lindo recomendo!

MEUS LOOKS:  o tal relógio sempre esteve presente na minha memória, talvez por isso sempre busque na sutilezas a tal irreverência.

Casaco alfaiataria, os botões dourados, são chaves antigas de verdade: Alessandra Hyppolito. Amor a primeira vista, quem me vendeu me afirmou que ela havia trabalhado no atelier de Vivian WestWood em Londres, não tenho certeza. Mas o casaco é um luxo faz o maior sucesso.

as chaves são de verdade, bem antigas

Relógio M&Co comprei na lojinha do MOMA NY , percebeu a sutileza????? rssss, a titia ia achar o máximo

repare na órdem dos números

4 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, DEUSA DO FEMININO, EXPERÊNCIA DE VIDA, GLAMOUR, MEUS LOOKS, NEM TE CONTO!, Tradição

Carnaval de rasgar a fantasia



O que é natureza morta? paisagem sem vida, apenas  geografica?

No carnaval passado resolvemos viver uma realidade e não uma fantasia. Ao invés de cenários feitos de resina, com plantas artificiais e atmosfera fake de um Magic Kindon. Decidimos entrar num cenário de ficção cientifica, fomos experimentar andar em marte e mudamos todas as nossas referências.

SAO/SANTIAGO, sábado de carnaval – chegamos no Chile as 4:00 da manhã,  aeroporto deserto, esperamos até as 6:30 para pegar outro avião por mais algumas horas até  Calama –  apesar de zuados e mortos de fome, tudo era pretexto pra diversão, principalmente pra quem não pode  perder uma chance.“Haha, tudo vale a pena qdo a vida não é pequena (mega jargão, mas é mesmo).

ele realmete fez isso - quantas vezes já pensamos em fazer o mesmo?

eu só pensava no quanto eu ia ouvir ...sobre a minha invenção de ir pra lá!!!!

Tudo também pode ser preocupação se a filhota ta com 39 de febre.  Alugamos o carro, saímos do aeroporto, foi aí que o bom humor passou rapidinho, encaramos outra hora e meia em direção a San Pedro de Atacama uma estrada, no meio do nada – N A D A, nada mesmo. CARACA, que idéia de jerico eu tinha tido, deserto do Atacama, era deserto mesmo, mas o que eu queria? onde fomos nos meter????????

Bem, meio mortos vivos, sonados abduzido, sedentos e faminto chegamos ao Tulor Hotel. Ai meu Deus! reservamos pela internet, era único que tinha vaga… A gente sempre espera entrar numa fria, e eu pensava, “deve ser um fiasco? Dessa vez vai dar errado’. QUE NADA! O lugar era mega fofo, lindinho, com um clima super amigável.

A dona é uma arqueóloga super famosa, que foi para lá fazer pesquisas na época da ditadura, construiu o hotel inspirado nas ruínas das casas andinas que ela mesma descobriu. Algumas noites fomos convidados a escutar  workshops para um grupo francês sobre os tesouros locais. VALE A PENA, recomendo! Bom, bonito e o preço é bem justo.

1º Dia – Vale da Lua – mais quem já esteve lá  diz que mais parece Marte, como num tive nem na lua nem em Marte digo que parece um cenário de outro mundo, o por do sol é o point do lugar.

Vale da Morte – Star Wars é aqui, a cada momento parece que vai sair um inseto de metal com pernas compridas ou um batalhão de extra-terrestres armados – incrível! Te faz sentir um ser minusculo, insignificante, pior que pó de ampulheta. Ampulheta sim, porque o tempo por lá não existe, só temperatura.

invasão de terraquios no vale da morte

2º Dia – mergulhar e não afundar, incrível! O recomendável mergulhar e sim boiar, pq nesse lugar vc não afunda ( quase a mesma densidade do mar morto e só que bem mais perto) – o filhote tentou mergulhar a cabeça e ficou cheio de sal nos olhos, uma semana depois ainda tinha sal no ouvido  – Estar no Atacama é estar no meio do nada, é sair de manhã viajar um tempão pra chegar em algum lugar de um outro mundo, algum oasis. O por do sol no Salar, parece gelo, mas é sal, um branco que se mistura com o azul e laranjas, mergulhar na lagoa salgada, ver os olhos de deserto.

Se o primeiro dia foi para quebrar as referências o segundo foi pra tirar a uruca, haja sal grosso, haja banho de sal, não deve haver olho gordo que não sobreviva. A experiência é incrível!

parece gelo, mas é sal puro, dá pra imaginar o estado do pé dele depois?

3º dia – superar os limites, munidos com folha de coca, o dia foi de conquista do espaço, subir, viajar, subir, subir, viajar, cada vez mais nada, cada vez mais alto. A paisagem é o espaço vazio no altiplano, uma, duas, tres, quatro horas de viagem até chegarmos a catedral de Pedra. Superamos os 5.300 mil metros de altitude. Banheiro? Só ao ar livre, é muita libertação, rssss, sempre há uma primeira vez, será o efeito da erva? A língua fica adormecida, mas  vale a pena fazer um pic nic na frente da reserva de flamingos. O único problema é ter que voltar outras 4 horas. UFAFAFAFA!

a dimeção é simplesmente impressionante

4º Dia – do infra mundo ao sub mundo –  Nem bem dormimos já acordamos, em plena madruga, 3 horas de viagem até os Gêiseres – o nascer do dia, o frio escaldante, escaldante sim porque aquele vapor queima, foi o melhor café da manhã da viagem, ovos cozido e chocolate quente feito no vapor do Gêiser Incrível.

em que mundo estivemos

café da manhã - ovos cozido no sco plástico no vapor

surreal

último dia – Depois de sermos abduzidos pela paisagem, passarmos pela limpeza de corpo e alma dos salares, subir nas alturas altiplanicas e queimar nas narinas do dragão, fomos as Termas de PURITANA – vc não dá nada pelo lugar e é o paraíso, enquanto lá fora está 14º dentro da água está 28º . Uma cachoeira quente que faz pequenas piscinas de da mais pura água andina potável, vc fica sozinho, com sua família sem platéia, na maior privacidade. #surteigriteichorei, só que dessa vez de alegria e de felicidade, é pura emoção. Quando olhei pro maridão ele estva vazendo  UOM ( som Hindu) por iniciativa própria. Água, muita água doce, pura, clara – tinha plantas, tinha verde, tinha vida.

o nível da água está na altura da mão

Aqui vc sente, a energia do universo, a paz absoluta. Depois daqui missão cumprida, a viagem e todas as experiências foram maravilhosa, quebramos todas as referências e entramos em uma outra dimensão do universo. Agora a volta é só uma questão de tempo e espaço, mas nunca vc voltará do mesmo jeito. O carnaval de 2009 – no ano passado, rasgamos realmente as fantasias desse nosso mundo contemporâneo e nos conectamos a um outro planeta. Restou uma lição  a paisagem desértica de natureza morta, do Atacama, pode passar a ser dominante no planeta se não cuidarmos dele. Nesse carnaval de 2010, eu quero mais é sentir o cheiro da mata Atlantica, ispirar a umidade da Serra do Mar, mergulhar nas águas salgadas do nosso litoral  e encher os olhos com  cada montanha verdinha que tiver ao alcance dos meus olhos. YAHOOO.

out-door que comunica mais do que mil palavras

LOOK Atacma –  prepare-se com roupas de expedição, calça e blusa impermeável, camiseta dry fit e botas a prova d’agua – vc passará do calor de mais de 40º ao frio de 10º em poucas horas ( isso no verão) e sem dúvida vai enfiar o pé na lama

foto histórica - mais uma experiência inédita

1 comentário

Arquivado em AMBiANCE, EXPERÊNCIA DE VIDA, FILHOTES DE GENTE, MEUS LOOKS, NEM TE CONTO!, RODAR O MUNDO, SURTEI, GRITEI, CHOREI, VIAJEI

O parto da Gisele Bündchen


A mais nova modelo do parto humanizado

meia perna – A primeira vez que vi Gisele Bündchen na mídia faz uns 13 anos, ela estava na capa de uma embalagem de meias de nylon cor da pele, de uma fábrica de meias que já imprimia a sua personalidade no mercado, a Puket, . Eu trabalhava na nova campanha de propaganda dessa marca e recebi uma série de meias-calça, que me surpreenderam porque eram melhores que o padrão do mercado. Na época nas caixas das meias tinham apenas a foto do detalhe de um par de pernas na capa da embalagem.

usávamos de manhã a noite, e sempre com um par extra na bolsa, a qualquer momento puxava o fio

• corpo inteiro – A Puket inovou, quebrou o padrão da época colocou na capa das meias modelos de corpo inteiro, investiu em novas embalagens, e suas meias estavam em modelos lindas e foram clicadas por bons fotógrafos – Assim, a imágem insinuava que Gisele Bündchen estava nua, vestida só com as meia de nylon “nude”, que não apareciam.

Daquele job sobrou alguns produtos para eu usar, realmente eram ótimas, naquela época usávamos, “meia fina” em qualquer ocasião. Eu normalmente trazia ou encomendava as minhas da Century 21, ou pedia pra quem viajava pra NY, tinha uma gaveta cheia dessas meias.

• achados e perdidos – A moda mudou. Outro dia abri a tal gaveta, tipo sem querer mesmo, e achei as meias nylon, algumas ainda estava fechadas, foi aí que me dei conta que aquela jovem da capa da meia Puket era a nossa atualmente famosa Übermodel Gisele Bündchen, no início da carreira. Na época era apenas uma adolescente bonita

Gisele Bündchen nos anos 90

No país do futebol, Gisele Bunchen virou ícone nacional, nós mulheres tínhamos agora um ídolo feminino, pra mim a referencia do imagem das palavras Mulher X Brasil, no exterior, era até então, Carmem Miranda, que nem brasileira era. Digo mulher personalidade, não estereótipo de biquínis recheados de bundas e peitos.

republica das bananas

• caminhada – Gisele passa a ser reconhecida por sua beleza e a personalidade marcante de quem impõe o seu próprio estilo e não precisava desfilar com “bananas penduradas a tiracolo” em todos os sentidos.

Nós, os espectadores, passamos a ter a percepção que ela tinha uma educação cheia de conexões familiares. Era a sua família que aparecia na mídia, não as suas farras e festanças. Quantas mulheres não sentiram orgulho, como se fossemos nós mesmas, que namorássemos o herói do Titanic e o mais legal é que tivemos a impressão que foi ela que dispensou o bonitão.

Gisele Bunchen nos levava ao olimpo ou nos fazia acreditar que uma mortal poderia chegar lá. Ela, um misto Vênus com a autenticidade da mulher do interior.

essa Nossa Sra. do Bom Parto estava na parede da casa da minha avó

• dois pares de pernas – De repente ídolo se casa escondido, protege a sua gestação e quando ligo a TV escuto a chamada do programa que se diz o “show da vida” e que normalmente me arrepia de tanto show de desgraças. Sabe daquela musiquinha que nos faz lembrar que o final de semana acabou? De repente escuto a dita chamadinha mas dessa vez anuncia que a nossa mulher maravilha teve um bebe de parteira na banheira da sua casa. Como assim? Passei o final de semana com a tv ligada atenta na musiquinha.

M A R A V I L H A.!!!!! Ao decidir por um parto natural, Gisele comprova que além de poderosa é corajosa e está mais empoderada. Hoje a recém parida Gisele Bündchen foi porta voz do parto humanizado e com seu testemunho reforça a causa que tanto defendemos na Rede de Humanização do Parto e Nascimento. ReHuNa

• de pernas pro ar – Brasil é recordista mundial no número de cesarianas . A Organização Mundial de Saúde recomenda: só 15% dos partos devem ser cesáreas. Mas no Brasil, nos hospitais particulares, foram 84% no ano passado, de acordo com a Agência Nacional de Saúde. Na rede pública, 31%. Os médicos defendem a cesariana, segundo eles por uma questão de segurança mas Ministério da Saúde questiona essa recomendação, porque para o governo, o parto normal é muito mais seguro para a mãe e para o filho.

• ter os pés no chão – Ouvi uma vez que ter um filho dessa forma, natural e sem anestesia transforma a mulher em heroína da própria vida. No último ano o número de mulheres que, estando em condições clínicas perfeitas para ter parto natural, sem anestesia, dentro de casa – que enfrentou o preconceito social e do sistema de saúde formal e escolheu uma parteira é incrível . Essa opção deixou de ser uma opção de pessoas humildes ou hippies, naturebas, alternativos que se alimentam de amor e uma cabana.

a mulher empoderada mantém os pés para baixo durante o parto, assim não perde a conexão com a mãe terra e nem consigo mesma

Muitas mulheres lindas, colunáveis, de alto poder social, passaram a ter orgulho de mostrar que são mulheres que respeitam seus corpos físicos, espirituais e acima de tudo fisiológicos. E que depois dessa experiência ainda ficaram mais bonitas.

Esse assunto esteve na mídia há um ano quando a modelo Andréa, mulher do ator Marcio Garcia teve o terceiro bebe na própria cama, em casa, com a parteira @heloisalessa, o bebe nasceu com 3,95kg (repare o tamanho da criança) e 50cm , o primeiro filho dela foi cesárea, o segundo parto normal no hospital e esse em casa.

caras.com.br

erik e larissa 4 meses depois da chegada do bebe

A também modelo Larissa Burnier casada com o ator Erik Marmo, teve o Daniel de parto normal e em casa, também com a @heloisalessa, o bebe nasceu com 54 centímetros e 3,8 kg.

• Hoje sinto o meu dia ganho. Gisele Bündchen relata o nascimento do seu filho na água. Parir com uma parteira e na água é uma prática muito usada fora do Brasil. O bebe já estava dentro da água quando estava na barriga da mãe. Quando nasce ele ainda está respirando através do cordão umbilical por isso não se afoga. O bebe só passa a respirar pelos pulmões quando o cordão é cortado. Nesse vídeo abaixo, filmado pelo Dr. Miguel, da Clinica la Primavera, no Equador, pode-se ver como é um parto na água – É LINDISSIMO!  NÃO PERCA, É UMA POESIA, o parto de Gisele Bündchen deve ter sido semelhante

• pôs as pernas pra fora – Nesse domingo, escutamos um verdadeiro Show da Vida com o relato fantástico da nossa superpoderosa modelo Gisele Bündchen, que aparece exatamente quando acaba o resguardo (6 semanas). Ela coloca com perfeição e simplicidade as questões do tempo do parto (8 horas é muito bom para 1º filho), da conexão com a mãe – ancestralidade – não delega para 3º. Ela fala da esperança e desejo de imaginar que a cada contração o bebe estaria chegando mais perto dela, assim ela transformou a dor. reveja a entrevista do Fantástico

• desnuda de corpo e alma – A menina da capa das meias de nylon, se coloca inteira, Gisele Bündchen se despe e nos mostra a pureza do seu espírito, se coloca assim conectada como um modelo, não de passarelas, mas modelo do Universo Feminino, assim com a mesma importância, força e a coragem se colocaram as “veteranas” Andrea e Larissa quando decidiram ter filhos de forma natural.

Todas essas modelos profetizam no seus relatos a Ciência do Início da Vida, tese escrita e defendida pela renomada psiquiatra Dra. Eleanor Madruga Luzes, esse trabalho está disponível para lido, copiado e divulgar no link acima e todo mundo deveria conhecer.

Agora, com essa grande bandeira hasteada, em pleno horário nobre, sigamos passo a passo esse modelo de vida.

E eu, Bia Fioretti, dentro desse universo feminino, caminho pé ante pé para registrar essas histórias no projeto Mães da Pátria .Dediquei todo esse final de semana a esse post, na esperança de encorajar cada vez mais mulheres a viver, com segurança, essa experiência. Desejo, em curto espaço de tempo, que a população de deusas do feminino e de bebes iluminados aumente, para assim termos o nosso planeta + feliz, + protegido e + respeitado.

7 Comentários

Arquivado em ANCESTRAL, GLAMOUR, NEM TE CONTO!, SEGREDOS DE ESTADO

o mundo conspira


Como é difícil tomar um decisão, principalmente diante do desconhecido, enfim acordei numa segunda disposta a fazer um curso: Aprenda a fazer de Bolg – http://www.escolasaopaulo.org/atividades/aprenda-a-fazer-blogs-2/aprenda-a-fazer-blogs com com a blogueira lilianeferrari.com,  Incrível! Vale super a pena. Mal dormi a semana toda de tanta ansiedade em não precisar pedir favor a ninguém pra desenvolver trabalho” internauticos”. Como é de se esperar tudo conspira contra, CARACA, nunca tive tanto trabalho na agencia e pra conseguir sair as 6:00h foi um parto, mas como de parto eu entendo, rss, www.maesdapatria.com.br 18:00 quinta- feira – última aula, São Paulo a beira do dilúvio e eu com 4 reuniões previstas pra sexta com 3 diferentes campanhas pra entregar. Só mesmo Nossa Sra. do Layout pra fazer um milagre. Mas como: cada dia sua agonia, eu precisava primeiro de uma arca de Noé pra absorver tanta informação dentro da sala de aula.
11:00, da noite descobri que o pai das crianças não tinha ido busca-los e “aquele” jantar romântico reconciliatório tinha que ser desmarcado, dei um piti total. Surtei, gritei, chorei, sem dó nem piedade.

5:00 da manhã, sexta acordo sem mal ter dormido, chego na agencia antes das 6:00 da madruga, afinal precisava de um milagre divino, graças a Deus meu assistente já estava lá. Enquanto orientava ele num job eu acabava outro. Enquanto as 10:00 saía 3 opções de cardápio, eu ia pra uma reunião de concorrência, pegar um novo briefng. Ao 12:00 tive uma entrevista para uma possível matéria do projeto de Resgate do Feminino, maesdapatria.wordpress.com às 14:00 apresentamos uma campanha pra pdv de banca de jornal – lançamento de uma coleção de literatura, às 16:30 fui para uma incorporadora apresentar um estande de vendas. UAU!!!!!!!! faz tempo que o mundo não conspirava assim…

18:30 Se acha que o dia acabou? Não tinha nem almoçado, fui pra casa, as crianças ainda estavam de férias estava cheia de remorso do “Piti” da véspera. Hum! cheirinho de milho cozido, irresistível, se os povos Mayas acreditam que o milho tinha uma alma dentro da espiga, como um ser humano. Comer milho tinha que ser regenerador de energia. Arrisquei.

Os Mayas chamavam o milharal de "os rios de luz dos Deuses"

A noite era uma criança pra quem tem filha adolescente, e tinha a balada pré volta as aulas, socooorro, virar outra noite, não dava. A última vez que ela reuniu a galera em casa eu dei um basta as 7:30 da manhã. 21:00 Ainda precisava estar meiga e paciente para amenizar o ex-jantar romântico da véspera. Fomos a um rodízio japonês, a 3, o filhote foi junto, e pra variar ele tava inspiradíssimo, rimos muito com ele.

00:00 sábado Na volta do jantar a batalha contra o sono, dessa vez não aliviei, a festa pra ela terminou às 2:20, com cara emburrada e batendo a porta do quarto estávamos todos em casa, o namorido também. Finalmente o dia ia terminar, ou quase, rsss ….
Eu que iniciei a semana cheio de planos internáuticos e decidida a fazer o meu blog, passei o dia sem sequer abri meus e-mails, pelo menos consegui não faltar no curso de blog afinal, já é sábado e o final de semana já havia começado.

Look para um dia de CAOS; (não era a Caos da cow parade) pretinho básico (me perdoem os Orixás, sorry, apesar de ser sexta, hoje tem que ser pretinho mesmo, nada sobrevive ter que estar apresentável por quase 22 horas)

look 24h no ar

– CASACO http://www.takashimaya-ny.com/ – coleção roupas para viajar (não amassa, sugestão do Osvaldo, sales associate, brasileiro no último andar, gentilíssimo) – style japonês, com mangas sino (para dar paciência) – BROCHE ARANHA http://rebecaguerberoff.com.br/ (para ter proteção) – calça preta tipo retinha, mais curta, e lógico, sapato vermelho (Giovana Hassler, por onde anda Giovana Hassler? adorava seus modelitos), “AMOOOO SAPATOS VERMELHOS”, tenho vários, minha mãe contava um história de uma menina que quando colocava sapatos vermelhos não parava de dançar – pelo menos dei conta de tudo e ainda terminei o dia apresentável e o assunto rendeu para um primeiro post.

Deixe um comentário

Arquivado em BiADAGENS, Dona BiA, MEUS LOOKS, NEM TE CONTO!, SURTEI, GRITEI, CHOREI